Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sem muitas respostas sobre objetos misteriosos, Casa Branca tenta reprimir teorias da conspiração

    Autoridades têm sido particularmente sensíveis à natureza inerentemente misteriosa dos objetos voadores e ao quão elaborada a recente série de eventos foi para teorias da conspiração

    John Kirby, coordenador de comunicação estratégica do Conselho de Segurança Nacional, fala durante entrevista à imprensa com Karine Jean-Pierre, secretária de imprensa da Casa Branca
    John Kirby, coordenador de comunicação estratégica do Conselho de Segurança Nacional, fala durante entrevista à imprensa com Karine Jean-Pierre, secretária de imprensa da Casa Branca Nathan Posner/Anadolu Agency via Getty Images

    MJ LeeKevin Liptakda CNN

    Em uma entrevista à imprensa após um período extraordinário de três dias durante os quais o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ordenou que militares abatessem três objetos no ar, a Casa Branca deixou claro na segunda-feira (13) muitas coisas das quais a administração ainda não sabia as respostas.

    Não foi possível dizer com certeza se os três objetos abatidos tinham capacidade de vigilância. Era difícil dizer exatamente como eram esses objetos, dada a velocidade com que os caças os monitoravam. E ainda não estava claro de onde o trio de objetos se originou e a quem eles pertenciam.

    Mas na entrevista cheia de perguntas sem resposta, uma declaração da secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, foi tão definitiva quanto qualquer outra: os militares dos EUA não derrubaram nenhum objeto voador não identificado (OVNI) do espaço sideral.

    “Não há – novamente, nenhuma indicação – de alienígenas ou atividade extraterrestre com essas recentes derrubadas”, disse ela. “Quero ter a certeza de que o povo americano saiba disso, todos vocês saibam disso. E foi importante para nós dizer isso daqui porque temos ouvido muito sobre isso”.

    Enquanto a referência de Jean-Pierre à atividade extraterrestre provocou risos de alguns membros da imprensa na Casa Branca, o governo não está lidando com motivo de riso. Após a ação sem precedentes do presidente de abater quatro objetos no decorrer de aproximadamente uma semana – começando com um balão espião chinês no início deste mês – os funcionários da Casa Branca foram assediados por uma chuva de perguntas sobre esses objetos e o que teria levado Biden e seu alto escalão militar a derrubá-los.

    As autoridades têm sido particularmente sensíveis à natureza inerentemente misteriosa dos objetos voadores e ao quão elaborada a recente série de eventos foi para teorias da conspiração.

    “Todo mundo quer respostas que ninguém tem no momento”, disse um funcionário, admitindo que havia um risco com a lacuna de informações que as conspirações poderiam gerar.

    Foi determinado que, mesmo na ausência de muita informação concreta que pudesse ser compartilhada com o público sobre os três objetos recentemente derrubados, seria prudente descartar publicamente – o mais rápido possível – a possibilidade de atividade extraterrestre, disseram as fontes.

    Essa consideração foi acrescida de urgência, uma vez que a recuperação dos destroços caídos – e uma análise abrangente do que esses objetos poderiam ter sido – é um processo que as autoridades reconhecem que pode levar algum tempo.

    Oficiais do governo continuam dizendo que seu objetivo é fornecer o máximo de informações possível sobre os objetos, mas observaram que as circunstâncias não são ideais para uma comunicação eficaz.

    O próprio Biden expressou o desejo de ser o mais transparente possível sobre os dispositivos tanto com o Congresso quanto com o público norte-americano, segundo autoridades, mas o presidente reconheceu que sem uma imagem completa do que eram os objetos, sua capacidade de se comunicar sobre eles é limitada.

    Enquanto isso, o governo espera corrigir o fluxo de informações díspares do fim de semana, optando por ter o coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, informado pela Casa Branca na segunda-feira para agir como uma única voz sobre o assunto, após relatos às vezes conflitantes do Pentágono e de membros do Congresso.

    Um legislador que faz parte do Comitê de Relações Exteriores da Câmara disse à CNN na segunda-feira que seria prudente que Biden se dirigisse diretamente ao público, principalmente considerando que a situação estava propícia para teorias da conspiração.

    “A ambiguidade é combustível para os teóricos da conspiração, e espero que as informações sejam compartilhadas rapidamente”, disse o legislador.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original