Sobe para 211 número de mortos por Tufão nas Filipinas

Mais da metade das mortes relatadas pela polícia ocorreram na região de Visayas, um dos destinos turísticos mais populares

Alagamentos causados em província das Filipinas após passagem do tufão Rai
Alagamentos causados em província das Filipinas após passagem do tufão Rai Reprodução/Guarda Costeira das Filipinas

Karen LemaEnrico Dela Cruzda Reuters

Ouvir notícia

As Filipinas ordenaram seus militares, nesta segunda-feira (20), que enviassem aviões e navios de guerra para levar ajuda em áreas devastadas por um poderoso tufão que deslocou centenas de milhares de pessoas e matou pelo menos 211 pessoas.

Muitas regiões do centro e do sul do país estão isoladas após o tufão Rai, o mais forte a atingir o arquipélago este ano, derrubar os sistemas de energia e comunicação, dificultando as operações de resgate.

“Ainda estamos avaliando os danos, mas são enormes”, disse o secretário de Defesa Delfin Lorenzana a repórteres. “A primeira coisa que estamos fazendo é tratar da alimentação e água e dos cuidados médicos dos feridos.”

Lorenzana disse às forças armadas para entregar produtos urgentes usando todos os recursos disponíveis, além de enviar mais tropas se necessário, acrescentou.

A polícia disse que o número de mortos em Rai subiu para 211, tornando-o um dos tufões mais mortíferos que atingiu o país do sudeste asiático. Mais de 200 ficaram feridos e 52 pessoas estão desaparecidas.

O número da polícia superou em muito as 58 mortes registradas pela agência nacional de desastres, que disse que ainda estava verificando relatórios das áreas afetadas.

Mais da metade das mortes relatadas pela polícia ocorreram na região central de Visayas, onde estão pontos de mergulho na província de Bohol, um dos destinos turísticos mais populares.

O governador da província, Arthur Yap, disse à emissora CNN Filipinas que temia que o número de mortos pudesse aumentar ainda mais, já que a falta de conexões de telefonia móvel dificultava a coleta de informações.

Rai, que atingiu o continente como um tufão de categoria 5 na quinta-feira (16), reviveu as memórias da devastação provocada em 2013 pelo tufão Haiyan, um dos mais poderosos ciclones tropicais já registrados, que matou 6.300 pessoas nas Filipinas.

Rai, que deslocou quase 490 mil pessoas nas Filipinas antes de se mudar em direção ao Mar da China Meridional no fim de semana.

Deixou um rasto de destruição nas províncias de Cebu, Leyte e Surigao del Norte, incluindo Siargao, popular entre os surfistas, e as Ilhas Dinagat.

O presidente Rodrigo Duterte, que visitou áreas atingidas por tufões no fim de semana, prometeu fundos de cerca de US$ 40 milhões para ajudar nos esforços de recuperação.

Informações de Enrico Dela Cruz e Karen Lema; edição de Ed Davies e Clarence Fernandez, da Reuters

Mais Recentes da CNN