Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobrevivente diz sentir alívio com morte de atirador do Maine

    Tammy Asselin foi separada de sua filha de 10 anos quando o ataque a tiros começou em pista de boliche

    Caso é o ataque a tiros mais mortal nos EUA desde o massacre da escola de Uvalde, em maio do ano passado
    Caso é o ataque a tiros mais mortal nos EUA desde o massacre da escola de Uvalde, em maio do ano passado 26/10/2023REUTERS/Shannon Stapleton

    Raja Razekda CNN

    Tammy Asselin, sobrevivente do ataque a tiros no Maine, nos Estados Unidos, disse estar aliviada com a morte do atirador na sexta-feira (27).

    “É um alívio que a própria comunidade possa definitivamente seguir em frente sem o medo dele lá fora, mas também é triste, porque temos muitas perguntas sem resposta”, afirmou Asselin a Kaitlan Collins, da CNN, emocionada.

    Veja também — Suspeito de ataques a tiros nos EUA é encontrado morto

    Ela foi separada de sua filha de 10 anos quando ataque começou na pista de boliche Just-in-Time Recreation, na quarta-feira (25). Asselin perdeu a prima, Tricia Asselin, no incidente.

    “Eu sei que dá um pouco de paz à minha filha saber que ele foi pego, porque ela temia que ele ainda estivesse por aí”, destacou.

    O ataque a tiros de quarta-feira aconteceu em um restaurante e uma pista de boliche, deixando ao menos 18 mortos e 13 feridos.

    Suspeito é encontrado morto

    Robert Card, suspeito pelo ataque a tiros no Maine, foi encontrado morto em uma floresta perto de Lisbon, que fica a cerca de 13 quilômetros de Lewiston, onde aconteceu o caso, segundo autoridades.

    O caso é o tiroteio em massa mais mortal nos EUA desde o massacre da escola de Uvalde, em maio do ano passado.

    Ele se soma a 565 incidentes do tipo, em que quatro ou mais pessoas foram baleadas, excluindo o atirador, em todo o país neste ano, de acordo com o Arquivo de Violência Armada.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original