Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobrevivente do Holocausto precisa fugir da Ucrânia pela segunda vez devido à guerra

    Margaryta Zatuchna, de 82 anos, diz que deseja voltar a Kharkiv e ver sua cidade em paz novamente

    Margaryta chega a Lviv, no oeste da Ucrânia, depois de uma longa viagem pelo país a partir de sua cidade natal
    Margaryta chega a Lviv, no oeste da Ucrânia, depois de uma longa viagem pelo país a partir de sua cidade natal Alexandra Novikova

    Salma AbdelazizSarah DeanDan Hodgeda CNN

    Cracóvia

    Ouvir notícia

    Do lado de fora do Centro Comunitário Judaico na cidade polonesa de Cracóvia, mais de uma dúzia de membros esperam para cumprimentar sua convidada de honra enquanto a neve cai.

    Uma ambulância amarela chega e Margaryta Zatuchna, de 82 anos, magra, com óculos redondos grossos e um sorriso sem fim, sai. Ela recebe dois buquês de rosas, um laranja e outro branco.

    Ela abaixa a cabeça levemente e inala profundamente para cheirar cada caule. Ela está finalmente segura.

    Forçada a fugir dos nazistas quando bebê, a sobrevivente do Holocausto foi expulsa de sua casa novamente – desta vez pela invasão da Ucrânia pelo presidente russo Vladimir Putin.

    Nascida em janeiro de 1940 na cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, a vida de Margaryta começou quando Adolf Hitler ordenou o extermínio de comunidades judaicas em toda a Europa.

    Margaryta Zatuchna com sua mãe em 1940 / Cortesia da família

    Dias antes de os nazistas invadirem sua cidade natal em outubro de 1941, ela fugiu para uma vila nos montes Urais, hoje parte da Rússia, com sua família pela fábrica de turbinas de propriedade soviética, onde seu pai trabalhava.

    “Sua fábrica foi evacuada com todo o equipamento para o leste”, disse ela, acrescentando que ela e sua mãe também foram.

    Entre 1941 e 1943, os trabalhadores da fábrica deixaram de fabricar turbinas para fabricar morteiros e reparar tanques para as tropas soviéticas, disse ela.

    “Fomos colocados em uma pequena vila com pequenas cabanas, no final havia uma floresta”, lembrou ela. “Às vezes os lobos vinham até nós, mas as criancinhas não entendiam o perigo.”

    Durante esse mesmo período, em Kharkiv, os nazistas cercaram e assassinaram cerca de 16.000 judeus. Muitos foram baleados à queima-roupa ou jogados em valas comuns e deixados para morrer.

    Depois que o Exército Vermelho recuperou o controle da cidade em 1943, Margaryta retornou a Kharkiv com sua família e cresceu sob o domínio soviético.

    Ela terminou seus estudos universitários e tornou-se engenheira, casou-se e teve um filho. Mais tarde, ela se divorciou e se casou novamente aos 40 anos com Valerii Verbitski, a quem descreveu como um “bom homem”.

    Sua vida era simples e pacífica.

    ‘Explosão atrás de explosão’

    Essa paz durou até 24 de fevereiro, quando as forças russas lançaram um ataque não provocado à Ucrânia, invadindo sua cidade, bombardeando bairros, explodindo um prédio do governo e cercando os estimados 1,4 milhão de habitantes de Kharkiv.

    “Não havia água ou energia, não podíamos comprar comida. Tornou-se impossível viver”, disse ela, “As sirenes de ataque aéreo nunca pararam, houve explosão após explosão. Uma verdadeira guerra.”

    Semanas de bombardeios indiscriminados pelas forças russas aterrorizaram os moradores de Kharkiv. Dezenas de milhares já fugiram da segunda maior cidade da Ucrânia enquanto corredores de evacuação raros e não confiáveis ​​são acordados.

    Uma foto tirada há cerca de 25 anos mostra Margaryta Zatuchna com sua família. Ela é a quarta da esquerda na segunda fila, usando óculos e uma blusa rosa. À sua direita está seu falecido marido Valerii / Cortesia da família

    No início, Margaryta optou por ficar e cuidar de seu marido, enquanto recebia apoio de um vizinho generoso. Mas a luta ficou cada vez mais perto de sua casa.

    “Uma explosão estourou todas as nossas janelas”, lembrou ela. “Depois desse choque, Valerii ficou mais fraco. Foi como se suas pernas tivessem sido cortadas debaixo dele.”

    O cerco e o bombardeio implacável cobraram seu preço: Margaryta acordou na manhã de 20 de março e descobriu que seu marido havia falecido durante o sono.

    “Não pudemos enterrá-lo por causa da guerra”, disse ela. “Seu corpo ainda está no necrotério.”

    Nem mesmo um memorial que homenageia as vítimas do Holocausto em Kharkiv foi poupado da chamada campanha de desnazificação de Putin. O monumento em forma de menorá foi marcado por bombardeios, dois de seus galhos torcidos e arrancados.

    Uma placa próxima diz: “Em dezembro de 1941 – janeiro de 1942, os nazistas aniquilaram os prisioneiros do gueto judeu de Kharkov em Drobitsky Yar – mais de 16 mil pessoas – idosos, mulheres, crianças – apenas porque eram judeus”.

    Dias de viagem

    Margaryta sabia que era hora de ir. Ela procurou seu irmão mais novo em Nova Jersey, nos Estados Unidos, e ele rapidamente acionou sua evacuação com a ajuda de várias instituições de caridade em três países.

    Margaryta conversa com o irmão que mora em Nova Jersey, nos EUA, por videochamada / CNN

    “É muito difícil ver que minha linda cidade, minha linda cidade, onde vivi toda a minha vida, está destruída”, disse ela, “não consigo entender tamanha destruição – para quê?”

    Na quarta-feira, 30 de março, um motorista pegou Margaryta em um SUV azul, danificado em um ataque anterior com mísseis, com as janelas estouradas cobertas com filme plástico.

    “Foi um caminho muito difícil”, disse ela. “Recebíamos informações ao longo do caminho de lugares que foram bombardeados e tomávamos estradas esburacadas e não pavimentadas. Eu me sentia tão enjoada.”

    A dupla viajou por dois dias, parando durante a noite, por centenas de quilômetros de território perigoso até chegar à cidade de Lviv, no oeste da Ucrânia.

    Depois de uma noite em um hotel, um motorista de ambulância norueguês voluntário a transportou pela fronteira polonesa até Cracóvia. Esta parte da viagem foi mais fácil, ela sentou-se confortavelmente sorrindo e conversando sobre geografia – parando apenas para tirar uma soneca ocasional.

    Margaryta é recebida no Centro Comunitário Judaico da cidade polonesa de Cracóvia, tendo fugido da Ucrânia após a invasão russa / Cidade de Cracóvia

    Mas sua jornada ainda não acabou, Margaryta está esperando para receber um visto americano para visitar seu irmão nos EUA. Ela parece imperturbável por tudo o que ela suportou.

    “Eu não estava apavorada”, disse ela sobre suas cinco semanas sob bombardeio russo.

    Quando perguntada onde ela encontrou sua coragem, ela respondeu simplesmente: “Ela vem para mim”.

    Margaryta insiste que não quer se tornar uma refugiada. A sobrevivente – do Holocausto e agora do ataque da Rússia – espera retornar a Kharkiv para enterrar seu marido de quase 40 anos e ver sua amada cidade em paz novamente.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN