Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Supertufão pode despejar mais de 1000 milímetros de chuva na China, enquanto outra tempestade mortal se aproxima

    Dezenas de milhares de pessoas fugiram de suas casas com a passagem do tufão Doksuri; fenômeno deixou 4 mortos na China

    Kathleen Magramoda CNN

    Pequim pode bater de precipitação nesta segunda-feira (31). A Administração Meteorológica da China prevê que mais de 1000 mm de chuva devem cair na área sudoeste da capital e na província vizinha de Hebei.

    Os meteorologistas alertam ainda que outra tempestade com nível de furacão está a caminho do país.

    Como grande parte do mundo, a China está se recuperando de eventos climáticos extremos neste verão. Ondas de calor atingiram a China mais cedo do que o normal este ano, enquanto recordes foram estabelecidos em todo o mundo para temperaturas globais, calor oceânico e perda de gelo marinho.

    O supertufão atingiu a província costeira de Fujian, no sudeste, no final da semana passada, enfraquecendo enquanto avançava para o norte, mas trazendo grandes quantidades de chuva para pelo menos cinco províncias do norte da China desde sábado (29).

    Estragos do Doksuri

    Mais de 31 mil pessoas foram evacuadas da capital chinesa na noite de domingo (30), informou a emissora estatal CCTV. Outro meio milhão de pessoas em Fujian foram forçadas a evacuar devido às inundações, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

    A Xinhua relatou duas mortes pela tempestade em Pequim nesta segunda-feira, enquanto outras duas mortes foram registradas na província de Liaoning, no nordeste, segundo a CCTV.

    Espera-se que as fortes chuvas continuem até terça-feira (1º), aumentando as preocupações com inundações perigosas e deslizamentos de terra.

    Nesta segunda-feira, nove distritos de Pequim estavam sob alerta vermelho de tempestade, o mais alto no mecanismo de alerta do país. O alerta meteorológico foi rebaixado para o segundo nível mais alto em outras partes. Pelo menos 95 outros avisos meteorológicos foram emitidos em todo o país.

    As fortes chuvas levaram ao fechamento temporário de várias ferrovias e rodovias na capital. Escolas também permaneceram fechadas e as pessoas foram orientadas a ficar em casa.

    Doksuri é o tufão mais poderoso a atingir a China e a tempestade mais forte a atingir Fujian desde o tufão Saomi em 2006, segundo a CNN Weather com base em informações preliminares. A tempestade mais próxima e poderosa que passou perto de Pequim foi Rita em 1972.

    Antes de atingir Fujian, havia matado pelo menos 39 pessoas nas Filipinas e atingido partes do sul de Taiwan.

    As chuvas inundaram grandes extensões de terras agrícolas e casas em Fujian, causando quase US$ 60 milhões (cerca de R$ 285 milhões) em perdas econômicas diretas, informou a Xinhua. Mais de 6 mil hectares de terras agrícolas em Fujian foram danificados e mais de 150 hectares sofreram perda total da safra, informou a mídia estatal.

    Novo tufão a caminho

    Mesmo com o Doksuri diminuindo, as autoridades estão se preparando para a chegada de Khanun, o sexto tufão projetado para atingir a China este ano.

    Os meteorologistas esperam que as marés de tempestade atinjam as áreas costeiras do leste da província de Zhejiang de segunda a quinta-feira, à medida que o tufão Khanun se aproxima. Isso levou as autoridades locais a ativar o nível mais baixo de uma resposta de emergência de quatro níveis nesta segunda-feira, informou a Xinhua .

    Khanun está ganhando força no Oceano Pacífico e foi atualizado para um tufão equivalente à categoria 3 pelo Joint Typhoon Warning Center. Prevê-se que se aproxime das ilhas de Okinawa, no sul do Japão, nos próximos dois dias e comece a caminhar lentamente pelo Mar da China Oriental.

    Mais de 200 voos domésticos das ilhas Naha, Miyako e Ishigaki em Okinawa foram cancelados de segunda a quarta-feira (2), afetando quase 30 mil passageiros.

    Clima extremo na Ásia

    A Ásia — o maior e mais populoso continente do mundo — está avaliando os efeitos mortais do clima extremo do verão, enquanto os países enfrentam ondas de calor escaldantes e chuvas recordes de monções.

    Enquanto a maior parte do nordeste da China é inundada pelas chuvas, a vizinha península coreana está sofrendo com ondas de calor mortais.

    Pelo menos 10 pessoas morreram de doenças relacionadas ao calor enquanto a Coreia do Sul sufoca sob uma onda de calor que trouxe as temperaturas mais altas até agora este ano para partes do país, de acordo com dados divulgados no domingo pela Agência de Prevenção e Controle de Doenças da Coreia (KDCA).

    Apenas duas semanas atrás, chuvas torrenciais na Coreia do Sul mataram pelo menos 41 pessoas em deslizamentos de terra e inundações repentinas, incluindo pelo menos 13 mortos em um túnel inundado que prendeu veículos no dilúvio.

    Neste fim de semana, um total de 1.015 pessoas sofreram doenças relacionadas ao calor, que o KDCA define como insolação, exaustão pelo calor, cãibras pelo calor, síncope pelo calor e edema pelo calor.

    Mais de um quarto das pessoas afetadas pelo calor tinham 65 anos ou mais, enquanto cerca de 20% tinham entre 50 e 59 anos.

    Mais de um terço dos casos foram relatados por pessoas que trabalham fora e cerca de 14% foram relatados em terras agrícolas, acrescentou.

    Desde o final de julho, os alertas de ondas de calor se expandiram para a maior parte do país, com temperaturas subindo no fim de semana para entre 33 e 39 °C.

    No sábado, várias cidades relataram suas temperaturas diárias mais altas até agora neste ano. A cidade de Gyeongju viu as temperaturas atingirem 36,8 °C e o condado de Jeongseon viu as temperaturas atingirem 36,1 °C, segundo a Administração Meteorológica da Coreia.

    O afluente distrito de Gangnam, em Seul, viu as temperaturas atingirem 35,7 °C, enquanto a província de Gyeongsang do Norte viu as temperaturas atingirem 38,1 °C.

    Um alerta de onda de calor permanece em vigor nesta segunda-feira, o que sinaliza que as temperaturas máximas diárias devem ser de 35 ºC ou mais por mais de dois dias consecutivos.

    Veja também — China: Mais de 23 mil pessoas saem de casa por passagem de tufão

    Com informações de Gawon Bae, Alex Stambaugh e Junko Ogura

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original