Talibã controla 10 capitais regionais do Afeganistão

Capital Cabul está pressionada e pode ser tomada

Clarissa Ward e Tim Lister, da CNN, em Cabul

Ouvir notícia

Em menos de uma semana, o Talibã invadiu um quarto das capitais provinciais do Afeganistão em uma grande faixa de território ao norte do país. A segurança está se desfazendo mais rápido do que quase todos esperavam – com a possível exceção dos próprios talibãs.

Dez capitais de província já caíram nas mãos do grupo insurgente e, em vários casos, com resistência mínima das forças de segurança afegãs. O Talibã agora controla o território que não foi capaz de subjugar quando estava no poder entre 1996 e 2001.

A reportagem da CNN presenciou um exemplo de como a resistência está baixa entre algumas unidades do exército em visita à cidade agora destruída de Ghazni, a três horas de Cabul. Um grupo de soldados que estava sob o fogo de atiradores do Talibã simplesmente saiu correndo de sua base, fez sinal para um carro que passava e saiu.

Quando a CNN voltou à mesma base no dia seguinte, alguns soldados vestiram roupas civis, em sinal de medo do Talibã, que, na manhã de quinta-feira (12), assumiu o controle de Ghazni.

Na quarta-feira (11), vídeo da base aérea de Kunduz, no norte, mostrou muitos soldados se rendendo sem uniforme.

As forças de segurança em muitas partes do país parecem oprimidas, temerosas de assassinatos ou carros-bomba e da implacável ofensiva do Talibã que está forçando o governo a escolher o que defenderá e o que renderá. As melhores tropas do Afeganistão, os comandos treinados pelos EUA, estão sobrecarregados.

Além das capitais provinciais que já caíram, outra dúzia ou mais estão sob ameaça iminente, cercada e conectada a Cabul apenas por via aérea.

A CNN visitou Kandahar – a segunda maior cidade do Afeganistão – na semana passada. Seus defensores estavam sitiados. Eles não sabiam quando ou se receberiam reforços. Desde então, a pressão só aumentou.

O Talibã disse na quarta-feira que havia assumido o controle da prisão principal na cidade de Kandahar e libertado cerca de 1.000 presos. Eles fizeram o mesmo em outros lugares, muitas vezes reabastecendo suas fileiras no processo. Um porta-voz do governo reconheceu que a prisão havia caído e disse que a maioria dos presos eram criminosos.

A apenas algumas centenas de metros da prisão, um salão de casamentos que a CNN visitou e que era uma posição de linha de frente dos comandos afegãos há poucos dias está agora sob o controle do Talibã, de acordo com um membro do parlamento de Kandahari.

Prédio de cidade afegã é destruído após invasão do Talibã
Prédio de cidade afegã é destruído após invasão do Talibã
Foto: Reprodução/CNN Brasil (12.ago.2021)

Ao capturar bases policiais e militares, o Talibã adquiriu veículos blindados, Humvees e armas pesadas, bem como dezenas de caminhonetes onipresentes. Um fluxo constante de veículos capturados, muitos deles fornecidos pelos EUA, deixou a base de Kunduz na quarta-feira. Um dos rebeldes pode ser ouvido dizendo que as armas que apreenderam foram suficientes para todos os mujahideen no Afeganistão.

Diante dos avanços do Talibã, não parece haver uma estratégia coerente para virar a maré. A perda de vidas é impressionante, com 6 mil mortos desde meados de abril devido aos confrontos. Fala-se de uma remodelação dos comandantes militares seniores. O presidente Ashraf Ghani visitou a cidade de Mazar-e-Sharif na quarta-feira – uma das poucas no norte ainda em mãos do governo – para fazer seu apelo para que os civis se juntem a um “levante popular” e lutem contra o Talibã.

Um dos senhores da guerra afegãos que o acompanhava era o marechal Abdul Rashid Dostum. Ele foi desafiador, dizendo que o Talibã tinha “muitas vezes feito seu caminho para o norte, e eles foram pegos na armadilha, e desta vez com a vontade de Deus também”. “Escapar do norte não é uma tarefa fácil”, disse ele.

Agora, o Talibã não precisa escapar do norte. Ele enfrenta pouca resistência: a maior ameaça parece vir de ataques aéreos esporádicos – alguns deles realizados por bombardeiros americanos.

De alguma forma, o governo afegão precisa encontrar uma estratégia para virar a maré. Certamente há algum ressentimento aqui porque a retirada dos EUA foi tão rápida e que sua influência sobre o Talibã nas negociações de Doha foi tão fraca. À medida que o Talibã conquista território, eles têm ainda menos incentivos para negociar.

O sentimento avassalador das pessoas que estão em áreas ainda controladas pelo governo é o medo. Cabul pode se sentir segura no momento, mas isso pode não durar muito. A última avaliação da inteligência dos EUA é que o Taleban pode derrubar as forças do governo em poucos meses. Há poucas evidências no terreno – em Kandahar ou Ghazni – para contradizer essa avaliação.

(Texto traduzido. Leia o original aqui)

Mais Recentes da CNN