Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Talibã pede mais ajuda humanitária internacional após terremoto no Afeganistão

    Grupo que assumiu o governo do país solicitou mais apoio humanitário internacional para auxiliar feridos e desabrigados

    Homens procuram sobreviventes em escombros de casa destruída por terremoto no Afeganistão, na quarta-feira (22)
    Homens procuram sobreviventes em escombros de casa destruída por terremoto no Afeganistão, na quarta-feira (22) Ali Khara/Reuters

    Mohammad Yunus Yawarda Reuters

    Ouvir notícia

    Suprimentos médicos vitais chegaram aos hospitais no sábado na área remota do Afeganistão atingida por um terremoto que matou mais de 1.000 pessoas esta semana, enquanto o governo do Talibã do país apelava por mais ajuda internacional.

    As autoridades cancelaram a busca por sobreviventes na região montanhosa do sudeste perto da fronteira com o Paquistão após o terremoto de 6,1 graus na escala Richter de quarta-feira (22), que também feriu cerca de 2.000 pessoas e danificou ou destruiu 10.000 casas.

    Os tremores secundários na sexta-feira (24) mataram pelo menos mais cinco pessoas na área a cerca de 160 quilômetros a sudeste da capital, Cabul, e equipes médicas disseram que instalações de saúde rudimentares estavam dificultando seus esforços para ajudar os feridos.

    “Aqueles feridos que estavam em mau estado e precisavam de operações, [o que] não podemos fazer aqui, foram enviados para Cabul”, disse Abrar, que atende por um nome, o gerente de um hospital em Paktika, o pior província afetada.

    O desastre é um grande teste para os governantes radicais do Talibã do Afeganistão, que foram evitados por muitos governos estrangeiros desde que assumiram o controle do país no ano passado devido a preocupações com os direitos humanos.

    O Afeganistão foi cortado de grande parte da assistência internacional direta por causa das sanções ocidentais, aprofundando uma crise humanitária em partes do país antes mesmo do terremoto desta semana.

    A Organização das Nações Unidas (ONU) e vários outros países enviaram ajuda às áreas afetadas, com mais chegadas nos próximos dias, e o Talibã apelou no sábado por mais remessas de ajuda para ajudar as vítimas do terremoto.

    “Pedimos a todas as organizações humanitárias que ajudem as pessoas”, disse Mohammad Amen Hozifa, porta-voz do governo da província de Paktika.

    O Ministério das Relações Exteriores da China disse no sábado que o país fornecerá ajuda humanitária no valor de 50 milhões de yuans (US$ 7,5 milhões) ao Afeganistão, incluindo tendas, toalhas, camas e outros materiais para ajudar as pessoas afetadas pelo terremoto.

    Mais Recentes da CNN