Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tanques avançam em Rafah e ataques aéreos de Israel matam ao menos 11 em Gaza

    Palestinos esperarvam por suprimentos de ajuda quando o um dos ataques aconteceu

    Tanques de Israel perto da fronteira de Gaza
    Tanques de Israel perto da fronteira de Gaza 4/6/2024 REUTERS/Amir Cohen

    Nidal al-Mughrabida Reuters

    Dois ataques aéreos israelenses mataram, pelo menos, 11 palestinos em Gaza na segunda-feira (24), enquanto esperavam por suprimentos de ajuda. A informação foi confirmada por médicos, enquanto tanques israelenses avançavam em Rafah, no sul do enclave, e lutavam para voltar para áreas no norte que já haviam dominado meses atrás.

    Um dos ataques atingiu um centro de distribuição de alimentos na cidade de Gaza, perto do histórico campo de refugiados de Shati, matando três pessoas. Outro, perto da cidade de Bani Suhaila, no sul da Faixa de Gaza, matou pelo menos oito, incluindo guardas que acompanhavam caminhões de ajuda, disseram os médicos.

    Israel não comentou imediatamente, negando ataques contra esforços humanitários e acusando militantes de causar danos a civis ao operarem entre eles.

    Durante a noite, um ataque aéreo israelense a uma clínica médica na cidade de Gaza matou o diretor do Departamento de Ambulâncias e Emergências de Gaza, segundo o ministério da saúde do enclave, comandado pelo Hamas. Os Exército de Israel afirmou que a greve matou um comandante armado sênior do grupo islâmico.

    O ministério da saúde afirmou que o assassinato de Hani al-Jaafarawi elevou para 500 o número de profissionais médicos mortos por disparos israelenses desde 7 de outubro. Pelo menos outras 300 pessoas foram detidas até agora.

    Em comunicado, o exército israelense disse que o ataque visava Mohammad Salah, a quem acusou de ser responsável pelo desenvolvimento de armamentos do Hamas.

    Sem acordo para um cessar-fogo

    Mais de oito meses desde o início dos combates, mediações internacionais apoiadas pelos Estados Unidos até agora não conseguiram alcançar um acordo de cessar-fogo. O Hamas afirma que qualquer acordo deve pôr fim à guerra, enquanto Israel diz que concordará apenas com pausas temporárias nos combates até erradicar o Hamas.

    Na segunda-feira, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que continua comprometido com um acordo de cessar-fogo proposto e um acordo de reféns anunciado pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em maio.

    “Estamos comprometidos com a proposta israelense que o Presidente Biden acolheu. Nossa posição não mudou. Em segundo lugar, o que não contradiz o primeiro, não vamos encerrar a guerra até eliminar o Hamas”, disse Netanyahu em um discurso ao parlamento.

    Em Rafah, perto da fronteira com o Egito, forças israelenses que haviam tomado controle das partes leste, sul e central da cidade seguiram com sua incursão nas áreas oeste e norte, segundo residentes, descrevendo combates intensos.

    No domingo (23), moradores relataram que tanques israelenses avançaram até a borda do campo de pessoas deslocadas de Mawasi, no noroeste de Rafah, forçando muitas famílias a deixar a região em direção ao norte para Khan Younis e para Deir Al-Balah, no centro de Gaza, a única cidade na área onde os tanques ainda não haviam invadido.

    “A situação em Tel Al-Sultan, no oeste de Rafah, continua muito perigosa. Drones e franco-atiradores israelenses estão caçando pessoas que tentam verificar suas casas e tanques continuam a ocupar áreas que supervisionam Al-Mawasi mais a oeste”, disse Bassam, morador de Rafah, à Reuters por meio de um aplicativo de bate-papo.

    Os militares israelenses disseram que as forças continuaram “operações direcionadas baseadas em inteligência” em Rafah, localizando armas e lançadores de foguetes e matando militantes “que representaram ameaças a eles.”

    No norte do enclave, onde Israel disse que suas forças completaram as operações há meses, os moradores disseram que os tanques haviam retornado para o subúrbio de Zeitoun, na Cidade de Gaza, e estavam atacando várias áreas lá.

    Em Deir al-Balah, agora o último refúgio para muitos milhares de habitantes de Gaza após o ataque a Rafah, médicos em uma clínica estavam tentando tratar a desnutrição em crianças e avaliar a extensão da fome que persegue a Faixa.

    “Com o deslocamento, as comunidades estão se estabelecendo em novos locais que não têm acesso a água potável, ou não há acesso adequado a alimentos”, disse Muaamar Said, médico do Corpo Médico Internacional. “Tememos que haja mais casos passando despercebidos.”