Teoria da conspiração na China vincula origem da Covid-19 aos militares dos EUA

Sem qualquer evidência, história afirma que o coronavírus pode ter vazado de laboratório do Exército dos EUA; oficiais do governo chinês já divulgaram a teoria

Um trabalhador médico analisa amostras de residentes locais a serem testadas para Covid-19 em um laboratório em Nanjing, China, em 24 de julho.
Um trabalhador médico analisa amostras de residentes locais a serem testadas para Covid-19 em um laboratório em Nanjing, China, em 24 de julho. Foto: Yang Bo/China News Service/Getty Images

Nectar Gan and Steve George, CNN

Ouvir notícia

Enquanto Pequim luta com o agravamento do surto da variante Delta, uma estranha teoria da conspiração ligando a origem do coronavírus aos militares dos Estados Unidos ganha força na China.

A teoria – totalmente infundada – afirma que o vírus pode ter vazado de um laboratório do Exército dos EUA e foi promovida repetidamente por oficiais chineses e pela mídia estatal desde março do ano passado. Agora, no entanto, a história parece ter ganhado mais força.

Na última semana, Pequim se debruçou na conspiração, mobilizando seus diplomatas e um vasto aparato de propaganda para convocar uma investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o Instituto de Pesquisa Médica de Doenças Infecciosas do Exército dos EUA, em Fort Detrick, Maryland.

A campanha acontece após Pequim rejeitar a proposta da OMS de uma segunda fase de investigação das origens do Covid-19 no mês passado. O estudo incluiria auditorias de laboratórios e mercados em Wuhan, o epicentro original da pandemia. Isso provocou a ira de Pequim, com um importante oficial de saúde chinês acusando a OMS de “desrespeitar o bom senso e desafiar a ciência”.

A OMS divulgou um relatório inicial de seu estudo sobre as origens da Covid-19 na China em março, concluindo que a teoria do vazamento de laboratório era “extremamente improvável”. Mas um número crescente de nações e cientistas ocidentais questionam a eficácia do relatório original, acusando a China de “impedir o acesso a dados e amostras originais completas”.

No final de maio, o presidente dos EUA, Joe Biden, ordenou que as agências de inteligência americanas redobrassem os esforços para investigar como o coronavírus se originou, incluindo a possibilidade de ter surgido de um acidente de laboratório.

A comunidade de inteligência foi obrigada a apresentar um relatório a Biden em 90 dias. Desde então, nenhuma informação relevante surgiu para apoiar a teoria do vazamento de laboratório, e muitos cientistas continuam a acreditar que é provável que o vírus tenha passado de animais para humanos de forma natural. Por enquanto, os altos funcionários da inteligência dizem que estão genuinamente divididos entre as duas teorias.

Pequim rejeitou enfaticamente a ideia de que o coronavírus poderia ter vazado de um laboratório em Wuhan, alegando que Washington está tentando politizar suas origens. E ainda, ao mesmo tempo, também está empurrando agressivamente uma teoria da conspiração – contra o hipótese vazamento de laboratório – sem qualquer evidência científica.

No mês passado, o jornal Global Times, administrado pelo estado chinês, começou uma campanha pedindo às pessoas que assinassem uma carta aberta à OMS exigindo uma investigação no laboratório de Fort Detrick. A carta – que requer apenas um único clique online para “assinar” – já reuniu 25 milhões de “assinaturas”.

Fort Detrick  - Maryland
Instituto de Pesquisa Médica de Doenças Infecciosas do Exército, em Fort Detrick, Maryland
Foto: Mark Wilson / Getty Images

Em uma entrevista coletiva na última semana, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, pediu à OMS para investigar o laboratório de Fort Detrick e um laboratório da Universidade da Carolina do Norte, comandado pelo especialista em coronavírus dos EUA, Ralph Baric.

Zhao também sugeriu que atletas militares americanos que compareceram aos Jogos Militares Mundiais, realizados em Wuhan em outubro de 2019, poderiam ter trazido o coronavírus para a China – reiterando uma afirmação infundada que ele fez no Twitter em março de 2020.

Teoria sobre origem norte-americana do vírus se espalha na TV e na internet

Enquanto isso, a emissora estatal chinesa CCTV exibiu um relatório de 30 minutos intitulado “a história obscura de Fort Detrick”. No Weibo, a versão do Twitter na China, uma hashtag relacionada ao relatório foi o principal tópico de tendência na manhã desta terça-feira. Desde então, o assunto foi visto 420 milhões de vezes.

Nas redes sociais, alguns relatos da mídia governamental e estatal promoveram outra teoria infundada de um obscuro tabloíde italiano, que alegava que os militares dos Estados Unidos haviam espalhado o coronavírus na Itália por meio de um programa de doação de sangue. 

“Provas contundentes! O coronavírus de Fort Detrick entrou na Europa por meio de um programa de doação de sangue do exército dos EUA”, dizia a manchete de uma história amplamente lida postada pela Liga da Juventude Comunista, o braço jovem do Partido Comunista da China.

Instituto de Virologia de Wuhan, na China
Instituto de Virologia de Wuhan, na China
Foto: Thomas Peter/Reuters (3.fev.2021)

A campanha de propaganda combinada aumentou ainda mais a fúria nacionalista contra os EUA. Alguns internautas chineses acusaram os Estados Unidos de serem “desavergonhados”, enquanto um número cada vez maior de pessoas passou a se referir à Covid-19 como o “vírus dos Estados Unidos” – zombando do termo “vírus da China” repetidamente usado pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que atacou em Pequim, enquanto seu governo lutava para conter o aumento de casos e mortes na América.

Teoria da conspiração se espalha enquanto variante Delta atinge a China

O foco renovado de Pequim na teoria de Fort Detrick ocorre em meio à rápida disseminação da variante Delta, altamente contagiosa, pela China. Desde 20 de julho, o surto – o pior em mais de um ano – infectou mais de 500 pessoas em dezenas de cidades, deixando milhões de residentes presos e provocando restrições de viagens em massa.

O surto da variante Delta representa um grande desafio para a abordagem de “tolerância zero” da China em relação às infecções, e alguns proeminentes especialistas em saúde pública da China sugeriram que o país precisará adotar uma nova estratégia e aprender a coexistir com o coronavírus.

Mas é improvável que essa mudança seja fácil. Na China, a tolerância do público em relação às infecções – mesmo que leve – é extremamente baixa, e o medo do vírus ainda é alto. Em parte, isso se deve ao fato de a China ter tido tanto sucesso em manter a Covid-19 sob controle, mas também ao resultado de meses de cobertura implacável da mídia estatal, destacando a devastação das graves infecções nos países ocidentais.

Desde que a China conteve seu surto inicial, Pequim repetidamente culpou os surtos locais na importação de coronavírus do exterior, seja por meio de passageiros de outros países, alimentos congelados ou outros produtos. A fonte do último surto, por exemplo, foi associada a um vôo vindo da Rússia.

E com o foco na história de Fort Detrick, a teoria da conspiração acaba de fornecer outro alvo para aqueles que querem jogar o jogo da culpa.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN