Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Terceira colocada na Argentina, Bullrich não parabeniza opositores e critica governo atual

    Em discurso em comitê de campanha, candidata agradeceu eleitores e disse acreditar que voltará a ter outra oportunidade eleitoral

    Candidata presidencial na Argentina, Patricia Bullrich, em discurso no seu comitê de campanha
    Candidata presidencial na Argentina, Patricia Bullrich, em discurso no seu comitê de campanha Todo Noticias/Youtube/Reprodução

    Pedro Jordãoda CNN

    São Paulo

    Patricia Bullrich (Juntos por el Cambio) — terceira colocada na eleição presidencial da Argentina neste domingo (22), com 23,85% dos votos válidos (às 22h50 e com 94,18% das urnas apuradas) — não parabenizou seus opositores e fez duras críticas ao atual governo.

    “O populismo empobreceu o país. E não serei eu que vou parabenizar quem volte ao poder e que tenha sido parte do pior governo da história da Argentina”, declarou em seu comitê de campanha.

    “Jamais vamos deixar de ser o que somos para a Argentina. Nunca vamos ser cúmplices do populismo na Argentina. E nunca vamos ser cúmplices das máfias que destruíram esse país. Não vou me render nunca”, completou.

    Apesar da crítica, que pode ser estendida ao candidato governista Sergio Massa (Unión por la Patria), ela também não revelou se apoiará o outro candidato, Javier Milei (La Libertad Avanza), no segundo turno, ou se ficará neutra.

    “Nesta noite não conquistamos os objetivos que queríamos para nossa Argentina (…) Mas a gente vem ratificar com toda a força os valores da nossa causa. Nossa causa vai mais além de um momento eleitoral e mais além de um momento de derrota”, disse.

    Entre os valores que defende ela listou “valores da transparência, luta contra a corrupção, de um país que deve abandonar o populismo se quer crescer e terminar com a pobreza”.

    A candidata ainda previu que a situação do país, que tem inflação de três dígitos atualmente, deve piorar no futuro. Mas se colocou ao lado de seus eleitores para enfrentar os problemas.

    “Vamos estar junto de cada argentino nos tempos difíceis que vêm aí. E estamos convencidos de que há uma compreensão do que a gente plantou para uma Argentina com equilíbrio, com trabalho, com produção, com segurança. Com certeza voltaremos a ter uma oportunidade”.

    O segundo turno ocorrerá entre Milei e Sergio Massa (Unión por la Patria) em 19 de novembro.

    VÍDEO – Pesquisa: Metade dos argentinos aceita governo “não democrático”