Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tropas russas miram pontos estratégicos e industriais na Ucrânia

    Novos alvos do exército russo são alguns dos polos de produção ucranianos

    Marcelo FavalliVinícius Tadeuda CNN

    Ouvir notícia

    Desde que a Rússia invadiu o território da Ucrânia, na madrugada do dia 24 de fevereiro, as tropas russas têm buscado tomar o controle de regiões ucranianas que são estratégicas tanto para a população local quanto para o funcionamento do país.

    De acordo com informações do Instituto para o Estudo de Guerra, dos Estados Unidos, o exército russo realiza o ataque em forma de “pinça”, ocupando o território ucraniano pelas bordas até chegar na capital Kiev, localizada mais ao centro do país.

    Outra estratégia utilizada pela Rússia seria tomar o controle das regiões que permitem o acesso da Ucrânia ao mar. Neste caso, o domínio desses territórios também permitiria uma rota para a entrada de mais soldados russos.

    Mapa da Ucrânia com destaque para a capital, Kiev / Foto: Reprodução/CNN Brasil

    A capital ucraniana, Kiev, conta com 2,9 milhões de habitantes e é o principal centro industrial e econômico do país. Além disso, a tomada da principal cidade da Ucrânia abalaria o sentimento da população, que veria sua capital política tomada pelas tropas inimigas.

    Um conselheiro do Ministério do Interior da Ucrânia afirmou, nesta quarta-feira (2), que as forças ucranianas conseguiram interceptar um míssil de longo alcance disparado pela Rússia. Os destroços do foguete acabaram atingindo uma estação de trem em Kiev.

    Forças russas também já atacaram uma torre de televisão na capital da Ucrânia. Segundo o Ministério do Interior, ao menos cinco pessoas foram mortas durante o ataque e cinco ficaram feridas.

    Kharkiv é a segunda maior cidade ucraniana, com 1,4 milhões de habitantes. A região é desejada pelas tropas russas pelo seu aspecto industrial. A principal característica da cidade é o entroncamento ferroviário e a produção de trens, máquinas industriais, tratores, utensílios agrícolas e geradores.

    O prefeito da cidade ucraniana de Kherson, Ihor Kolykhaiev, declarou, nesta quarta-feira (2), que os militares da Ucrânia não estão mais na localidade e que seus habitantes devem agora cumprir as instruções de “pessoas armadas que vieram para a administração da cidade”, indicando um controle da Rússia.

    O Ministério da Defesa da Russia já havia dito que as forças armadas do país tomaram a cidade do sul da Ucrânia. “As divisões russas das Forças Armadas tomaram o controle total do centro regional de Kherson”, afirmou o porta-voz da pasta, Igor Konashenkov.

    Kherson é uma cidade estrategicamente importante por seu acesso ao Mar Negro e com uma população de quase 300 mil habitantes. A região é conhecida por seus estaleiros e a indústria naval, além de já ter servido como base naval russa.

    Especialista explica mudança de padrão da guerra na Ucrânia

    O especialista em Segurança Pública Rodrigo Pimentel explicou em entrevista à CNN nesta quarta-feira que o maior desafio para qualquer exército é o conflito em áreas urbanas.

    Ele afirmou que um possível conflito direto na capital Kiev será de “altíssima intensidade”. “Calculamos aumento de baixas entre cinco e oito vezes, normalmente há muitas baixas civis, é uma verdadeira tragédia”, avaliou.

    Pimentel considerou que a capital ucraniana parece não estar pronta e não tem “sinais de preparação de defesa”. O especialista ainda ressaltou que o exército russo é o que possui mais veículos blindados no mundo.

    No entanto, Pimentel pontuou que por vezes, em conflitos urbanos, a formação de escombros favorece a população local. “Quanto mais escombros, mais áreas e condições de defesa. Quanto mais bombardeios, mais disposição para proteger a cidade”, disse.

    Mais Recentes da CNN