Trump acusa Netanyahu de deslealdade por parabenizar Biden após vitória em 2020

Ex-presidente dos Estados Unidos disse que nunca mais falou com o primeiro-ministro de Israel desde então

Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.
Ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump. Reuters

Andrew CareyAmir Talda CNN

Ouvir notícia

O ex-presidente Donald Trump criticou seu antigo aliado Benjamin Netanyahu em uma série de entrevistas, dizendo que se sentiu traído pela mensagem de vídeo do então primeiro-ministro de Israel a Joe Biden, parabenizando-o por ganhar a presidência.

“Era cedo, ok? Vamos colocar desta forma — ele o parabenizou bem cedo, muito antes do que a maioria dos líderes mundiais. Não falei com ele desde então. F*da-se ele”, disse Trump ao jornalista israelense Barak Ravid, durante entrevista divulgada pela Axios nesta sexta-feira.

Ao abordar sua decisão de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel — revirando décadas de política dos EUA e consenso internacional — bem como reconhecer a soberania do país sobre as Colinas de Golan, capturadas da Síria durante uma guerra em 1967, Trump explicou por que se sentia ainda amargurado.

“Não houve ninguém que fez mais por Netanyahu do que eu. Não houve ninguém que fez mais por Israel mais do que eu. E a primeira pessoa a correr para cumprimentar Joe Biden foi ele, que não só o deu os parabéns como também o fez em um vídeo. Se você olhar para os líderes de outros países — como no caso do Brasil — eles esperaram meses. Putin, México, muitos outros líderes, todos eles também sentiram que a eleição havia acabado”, afirmou o ex-presidente.

“Ninguém fez mais do que eu por ‘Bibi’. Dinheiro também. Demos a eles muito dinheiro e soldados. Fizemos tudo”, acrescentou Trump.

Benjamin Netanyahu parabenizou Joe Biden pela vitória na eleição presidencial dos Estados Unidos em 2020 no dia 8 de novembro, por meio de um vídeo publicado em sua conta no Twitter.

Na postagem, o primeiro-ministro diz que ele Biden têm um relacionamento pessoal “longo e caloroso” por quase 40 anos, que vê o novo presidente como “um grande amigo de Israel” e espera trabalhar juntos.

(Texto traduzido. Leia o original aqui).

Mais Recentes da CNN