Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Trump diz que foi “lindo ver” ação policial contra manifestantes pró-Palestina

    Protestos contra a guerra na Faixa de Gaza dominam universidades nos Estados Unidos

    Polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York
    Polícia intervém e prende mais de 100 estudantes da Universidade de Nova York Fatih Aktas/Anadolu via Getty Images

    Nathan LayneTim Reidda Reuters

    O candidato republicano à Presidência dos EUA, Donald Trump, disse nesta quarta-feira (1°) que “foi uma coisa linda de se ver” policiais de Nova York entrando em um prédio da Universidade de Columbia ocupado por manifestantes pró-palestinos.

    O ex-presidente chamou as pessoas que protestavam de “lunáticos furiosos e simpatizantes do Hamas”.

    “Nova York estava sitiada ontem à noite”, ressaltou Trump aos seus apoiadores em um comício de campanha em Wisconsin. Ele elogiou os policiais por prenderem cerca de 300 manifestantes.

    Os republicanos acusaram alguns administradores de universidades de fechar os olhos à retórica e ao assédio antissemita.

    O ataque de 7 de outubro ao sul de Israel por integrantes do Hamas e a subsequente ofensiva israelense desencadearam a maior onda de protestos estudantis nos Estados Unidos desde as manifestações anti-racismo em 2020.

    “Suas cidades e vilas aceitarão agora pessoas de Gaza e de vários outros lugares”,  alegou Trump, em referência a reportagens sobre planos do governo do presidente Joe Biden para aceitar alguns refugiados de Gaza. A multidão vaiou em resposta.

    A CBS News afirmou ter obtido documentos internos do governo americano que mostram que as autoridades dos EUA têm discutido diferentes opções para reassentar palestinos que foram deslocados pelos combates em Gaza depois que passarem por testes de triagem.

    A secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, pontuou nesta quarta que o governo estava estudando um plano para realocar alguns refugiados palestinos que são parentes dos americanos.

    Na semana passada, Trump descreveu os protestos pró-Palestina como sendo motivados por um “ódio tremendo”, ao mesmo tempo que afirmou que a violência em um comício nacionalista branco em 2017 em Charlottesville, Virgínia, quando ele era presidente, era pequena em comparação a atualmente.

    Assessores de Joe Biden disseram que o presidente apoia protestos pacíficos, mas se posiciona contra a retórica violenta, o discurso de ódio e a intimidação física, colocando ênfase especial na condenação do antissemitismo nos campi universitários.

    Trump realizou comícios nesta quarta-feira nos estados de Wisconsin e Michigan, enquanto pesquisas eleitorais mostram que ele está em uma disputa acirrada com Biden antes das eleições de 5 de novembro.

    A visita do ex-presidente aos dois estados marcou os seus primeiros grandes eventos de campanha desde o início do seu julgamento criminal em Nova York, em 15 de abril, no qual ele é acusado de falsificar registos comerciais relativos a um pagamento secreto a uma estrela de filmes adultos.