Ucranianas contam como fugiram para Polônia para dar à luz em país sem guerra

Pelo menos 197 crianças vindas da Ucrânia nasceram em hospitais poloneses desde que o país foi invadido pela Rússia

Khrystyna Pavluchenko e sua filha recém-nascida
Khrystyna Pavluchenko e sua filha recém-nascida Kyung Lah/CNN

Kyung LahSarah Boxerda CNN

Ouvir notícia

Khrystyna Pavluchenko acaricia a mãozinha de sua filha recém-nascida, Adelina. Ela havia antecipado a profunda alegria de se tornar mãe pela primeira vez –mas não a culpa.

“[Isso é] porque eu saí”, diz Pavluchenko, engasgando com as lágrimas, enquanto a filha de uma hora dorme no berço ao lado de sua cama de hospital na capital polonesa, Varsóvia.

“Eu não queria sair. Eu precisei.”

Em 24 de fevereiro, quando a invasão russa começou, Pavluchenko, então grávida de oito meses, foi acordada às 6h. Os primeiros mísseis russos estavam a caminho.

Pavluchenko relata o esforço para escapar nas 72 horas seguintes. Seu marido, medicamente inelegível para servir nas Forças Armadas ucranianas, já estava na Polônia.

Ela estava desesperada por ter ficado para trás com seus pais, avós e familiares. Mas todos eles insistiram: “Vá para a Polônia”.

Então, com relutância, começou a planejar sua fuga perigosa da Ucrânia. “Os mísseis estavam voando. Onde eles poderiam atingir a seguir, ninguém sabia”, lembra.

“Eu tinha medo de dar à luz prematuramente”, diz ela, ao se lembrar de entrar na Polônia.

Esse foi o mesmo medo que os funcionários da alfândega poloneses tiveram quando a viram. Rapidamente chamaram uma ambulância.

Ela foi levada para um hospital próximo e, o Hospital Especializado Inflancka, em Varsóvia, onde a psiquiatra Magda Dutsch está tratando mulheres ucranianas.

“É inimaginável”, diz Dutsch. “Muitas vezes elas estão evacuando. Elas estão falando sobre bombardeios e bombardeios, sobre horas, às vezes dias, que passam em um bunker. Elas estão falando sobre a fuga e como foi difícil chegar à fronteira e sair da zona de guerra. Para alguém que não viu a guerra, não acho que seja possível imaginar tanta dor e tanto estresse.”

Pelo menos 197 crianças ucranianas nasceram em hospitais poloneses desde o início da guerra, segundo o Ministério da Saúde da Polônia. Quando fugiu, Pavluchenko não fazia ideia de que tantas outras mulheres ucranianas estavam em situação semelhante.

Para ela, o sentimento era de solidão.

“Uma segunda guerra”

Em outra seção do hospital está Tatiana Mikhailuk, 58 anos, que também é uma das pacientes de Dutsch.

De sua cama de hospital, Mikhailuk conta a história angustiante de sua fuga de uma cidade fora da capital ucraniana, Kiev. Quando um míssil sobrevoou sua casa, ela fugiu com a neta nos braços.

Explosões já haviam estourado todas as janelas de seu prédio. Enquanto ela e seu marido dirigiam com seus netos para fora de Buchad, uma hora ao norte de Kiev, algo explodiu no lado esquerdo da estrada.

“Estávamos chorando e orando o tempo todo”, diz Mikhailuk.

Eles conseguiram sair na hora. Dois dias depois, mísseis russos destruiriam as pontes de seu bairro.

Tatiana Mikhailuk sobreviveu a um ataque na sua cidade natal antes de ser diagnosticada com câncer no colo do útero / Kyung Lah/CNN

Mikhailuk havia sobrevivido ao ataque em casa. Mas uma vez que ela cruzou a fronteira polonesa, começou a sangrar.

Os médicos do Hospital Especializado de Inflancka a diagnosticaram com câncer do colo do útero e realizaram uma cirurgia de emergência.

“Isso é como uma segunda guerra para mim”, diz Mikhailuk. “Eles [do hospital] fizeram de tudo para me salvar. Sou muito grata a eles, a toda a Polônia. Nunca esquecerei sua gentileza e o que estão fazendo pelos ucranianos”. Ela acrescenta: “Sou grata à dra. Khrystyna”, outra refugiada ucraniana.

Khrystyna não tem certeza de como descrever qual título devemos usar para nos referir a ela. Em casa, em Lviv, Ucrânia, ela é ginecologista licenciada. Mas na Polônia, seu título oficial é “secretária”. “Estou ajudando”, Khrystyna, que pediu à CNN para não revelar seu sobrenome.

Em 24 de fevereiro, o marido de Khrystyna enviou-lhe uma mensagem de texto dizendo: “arrume suas coisas e vá embora. A guerra começou.” Como tantas outras mulheres ucranianas no hospital, ela correu, levando seu filho com ela.

Quando chegou a Varsóvia, uma mulher polaca acolheu-os, tornando-se a sua anfitriã numa cidade estrangeira. O seu anfitrião levou o seu filho a um novo jardim de infância, onde começou a adaptação para viver na Polônia.

Khrystyna diz ter desmaiado, consumida pelo luto e pelo pânico.

Ela percebeu que ficar numa casa desconhecida seria ruim para sua saúde mental. Por isso considerou a possibilidade de se oferecer como voluntária na estação de comboios, onde poderia cozinhar para os refugiados que chegassem.

“Quando me recompus, lembrei-me que sou médica. Por isso, vim aqui [para o hospital] para usar esta oportunidade para ajudar as mulheres que fugiram”, disse ela.

As mulheres estão perdidas. As mulheres estão estressadas. Elas estão chorando

“Quando me aproximo delas e começo a falar em ucraniano, isso as acalma. Eu digo-lhes que há ajuda aqui. E elas acalmam-se um pouco.”

Emoções mistas

O Hospital Inflancka, especializado em obstetrícia e ginecologia, abriu as suas portas a todas as mulheres ucranianas. Oitenta pacientes foram tratadas desde o início da guerra e 11 bebês ucranianos nasceram ali.

O hospital diz que os refugiados não pagam por quaisquer serviços médicos. Após a partida, os cuidados pós-parto são também gratuitos, cobertos por clínicas na Polônia.

O hospital disse à CNN que todos os pacientes mantêm contato depois de saírem do hospital e que se as mulheres lutam com a habitação, o Centro de Apoio à Família de Varsóvia, uma organização local de assistência social, fornece alojamento.

Khrystyna está grata pela generosidade de Varsóvia, mas cheia de raiva com os ataques do presidente russo, Vladimir Putin, às mulheres e crianças do seu país.

“Ele bombardeia consciente e propositadamente crianças que não são culpadas de nada. As crianças são inocentes. Mas ele está fazendo mesmo assim e fazendo conscientemente.”

O que ajuda Khrystyna e todos os médicos do Hospital Inflancka é a chegada dos menores sobreviventes da guerra, como Adelina. Estas novas vidas oferecem uma réstia de esperança para o futuro, dizem eles.

Da esquerda para a direita: Khrystyna, refugiada ucraniana de Lviv; Magda Dutsch, Iwona Czerwinska e Emilia Gasiorowska no Hospital Inflancka / Kyung Lah/CNN

Mas é mais complicado para Pavluchenko, que se debate com todas as emoções da nova maternidade e com as realidades da vida como refugiada.

É difícil ser feliz, diz ela, tendo uma criança em um lugar estrangeiro.

Ela espera um dia mostrar à sua filha a bela e pacífica Ucrânia de que se lembra. Mas não sabe onde Adelina vai crescer, se vai conhecer a sua família, ou mesmo que língua principal vai falar.

Uma coisa é certa: Adelina conhecerá a viagem completa de como – e onde – ela veio ao mundo.

“Diremos tudo como era. Ela deve saber a verdade”.

Anna Odzeniak e Ksenia Medvedeva contribuíram para a reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN