Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Última batalha da Guerra de Independência dos EUA foi na Índia? Historiadores pensam que sim

    Segundo historiadores, Cuddalore, na Índia, teria sido de fato a última batalha da Revolução Americana, quando britânicos e franceses receberam a notícia de que tratado de paz havia sido assinado seis meses antes em Paris; EUA celebra neste 4 de julho a sua independência

    A pintura de Auguste Jugelet "Batalha de Cuddalore" (1836), que retrata a batalha naval entre a França e a Grã-Bretanha em 20 de junho de 1783
    A pintura de Auguste Jugelet "Batalha de Cuddalore" (1836), que retrata a batalha naval entre a França e a Grã-Bretanha em 20 de junho de 1783 Auguste Jugelet/Chateau de Versailles

    Brad Lendonda CNN

    A pergunta é: a última batalha da guerra de independência dos Estados Unidos foi travada em qual continente?

    Se você dissesse “América do Norte” e apostou todo o seu dinheiro nisso, você perdeu. Pelo menos é o que um número crescente de historiadores estão dizendo. Eles dirão que a resposta correta deveria ter sido: “Ásia”.

    O quê?! Veja o que diz Kathleen DuVal, professora de história da Universidade da Carolina do Norte.

    “Os americanos e quase todos os historiadores dos Estados Unidos até recentemente se concentraram quase exclusivamente na Guerra Revolucionária nas 13 colônias que se rebelaram contra os britânicos. O foco estava quase todo em Massachusetts e na Virgínia”, diz ela.

    “Mas apenas na última década ou duas, os historiadores ampliaram seu foco e começaram a escrever sobre a Guerra Revolucionária como sendo uma guerra mundial”, diz DuVal.

    Em 2018, a Smithsonian Books publicou “The American Revolution: A World War”, uma coleção de ensaios de 17 autores de oito países que fornece “um relato multifacetado, mas coerente, da geopolítica internacional da Revolução Americana”, de acordo com uma revisão no Journal of American History.

    DuVal e outros dizem que dois protagonistas principais da Guerra Revolucionária – Grã-Bretanha e França – na verdade travaram a batalha final do conflito em Cuddalore, na Índia, em junho de 1783.

    Espere! Sei que a França ajudou os colonos a derrotar os casacas-vermelhas britânicos, mas o que a Índia tem a ver com isso? E mesmo assim, uma “guerra mundial”?

    “A ajuda da França para os Estados Unidos há muito faz parte do conhecimento dos americanos sobre a Revolução Americana, mas o rei francês decidiu entrar na guerra por causa da oposição da França à Grã-Bretanha mais do que qualquer amor pelos americanos – afinal, ele era um rei com seu próprio império”, explica DuVal.

    Entendo que a França e a Grã-Bretanha não se gostavam, mas não controlavam o mundo inteiro, certo?

    Bem, a Grã-Bretanha com suas colônias em todo o mundo tinha mais inimigos do que apenas a França, diz DuVal. A Espanha e a Holanda também se aliaram à França para lutar contra a Grã-Bretanha, diz ela. E a luta americana pela independência foi uma forma de assediar a Grã-Bretanha em outra frente.

    “Olhando para isso, digamos, da perspectiva francesa, assumir um papel na Revolução Americana permitiu que eles estendessem as forças britânicas em apenas outro lugar ao redor do globo”, diz Don Glickstein, um historiador e jornalista de Seattle que cobriu o assunto em profundidade em seu livro de 2015, “After Yorktown”.

    Segunda guerra em 10 anos

    A França e a Espanha também estavam tentando acertar as contas de um conflito global anterior que haviam perdido uma década antes – a Guerra dos Sete Anos, da qual a Guerra Franco-Indígena, travada na América do Norte, fazia parte, disse DuVal à CNN. Glickstein e até mesmo o Departamento de Estado dos EUA concordam com DuVal.

    Na Guerra dos Sete Anos, que começou em 1754 ou 1756, a Grã-Bretanha derrotou a França e sua aliada Espanha em todo o mundo, do Indo-Pacífico a Portugal e Canadá, mas isso teve um preço alto, diz o Gabinete do Historiador do Departamento de Estado em seu site.

    “A guerra foi extremamente cara, e as tentativas do governo britânico de impor impostos aos colonos (americanos) para ajudar a cobrir essas despesas resultaram no aumento do ressentimento colonial das tentativas britânicas de expandir a autoridade imperial nas colônias”, diz.

    Esses impostos sobre os colonos acabaram levando à Guerra Revolucionária, diz.

    A batalha de Yorktown

    Durante grande parte da história de 247 anos dos Estados Unidos, foi ensinado que a última batalha dessa guerra foi em Yorktown, Virgínia, de 28 de setembro a 19 de outubro de 1781. Mas Glickstein diz que até descrever Yorktown como uma vitória “americana” é um pouco generoso.

    “As crianças aprendem que Yorktown foi uma vitória americana. Na realidade, foi uma vitória francesa, possibilitada por uma estratégia francesa, duas frotas francesas, engenheiros de cerco franceses, artilharia francesa que golpeou os britânicos, foi travada em grande parte por soldados, fuzileiros navais e marinheiros franceses que superaram em número seus aliados rebeldes americanos em quatro para um”, argumenta Glickstein.

    O National Park Service diz que cerca de 600 soldados franceses foram mortos em Yorktown e uma batalha naval associada. Diz que pouco mais de 100 americanos foram mortos em Yorktown.

    “Foi uma vitória não apenas dos americanos, mas dos aliados. Os soldados franceses em Yorktown superavam os americanos. A Espanha e a República Holandesa apoiaram os colonos financeira e logisticamente”, diz o site do Museu Nacional de História Americana no Smithsonian sobre a Batalha de Yorktown.

    Em uma entrevista de 2018 para a revista Smithsonian, o historiador David Allison, do museu, colocou a ajuda estrangeira para Washington em um escopo mais amplo.

    “Sem aliados, as colônias nunca teriam conquistado sua liberdade. Nós, americanos, somos muito limitados em como vemos nossa história nacional, como se só nós tivéssemos determinado nosso próprio destino. No entanto, isso nunca foi verdade”, disse Allison.

    Lutando a um mundo de distância

    Ainda assim, poucos contestariam que a derrota em Yorktown fez com que a Grã-Bretanha tentasse reduzir suas perdas. As negociações de paz começaram em Paris, o que levaria à assinatura de um acordo de paz preliminar entre as colônias e a Grã-Bretanha no final de novembro de 1782.

    As notícias, porém, viajavam na velocidade dos veleiros até os confins dos impérios dos principais combatentes, Grã-Bretanha e França.

    Depois de Yorktown, os combates entre a Grã-Bretanha, a França e a Espanha continuaram em outros lugares, como Jamaica, Gibraltar e Índia.

    Falando à CNN de sua casa em Seattle, Glickstein argumenta que controlar a Índia foi um prêmio muito maior para a Grã-Bretanha do que controlar partes da América do Norte. Os colonizadores britânicos cobiçaram seus recursos, como seda, algodão, tecidos, especiarias, chá, ópio e pedras preciosas.

    Os historiadores apontam que a pilhagem britânica da riqueza indiana durante os anos coloniais transformou a economia da Índia, que era bem próxima da Europa, para algo exponencialmente menor.

    “Tudo o que a Índia fez, os britânicos queriam”, disse ele, acrescentando que a localização estratégica da Índia significava que era uma base de onde a Grã-Bretanha poderia proteger suas rotas comerciais para a Ásia-Pacífico.

    A Grã-Bretanha e, em menor grau, a França estavam bem estabelecidas com colônias na Índia quando a Revolução Americana começou e já haviam trazido suas hostilidades da Europa para o subcontinente, de acordo com o Museu da Revolução Americana na Filadélfia.

    “Quando a França entrou na guerra em 1778 como aliada dos americanos, a Companhia Britânica das Índias Orientais imediatamente se moveu para atacar as colônias indianas da França, atraindo os aliados indianos de ambos os países para a luta”, diz o site do museu.

    Assim, a guarnição dos franceses e seus aliados indianos em Cuddalore, na Baía de Bengala, foi um alvo importante para a Grã-Bretanha no final de junho de 1783.

    Os combates ocorreram em terra e no mar. A batalha naval de Cuddalore em 20 de junho foi considerada uma vitória francesa. Em terra, as forças francesas sitiadas tentaram atacar as tropas britânicas ao seu redor em 25 de junho, mas foram repelidas, diz Glickstein.

    De volta ao mar, o almirante francês ordenou a seus navios que preparassem um bombardeio contra as forças terrestres britânicas em apoio à operação terrestre francesa, diz Glickstein.

    Mas antes que pudesse começar, “um navio britânico apareceu à distância com uma bandeira branca”, diz Glickstein.

    “Eles trouxeram a notícia de que seis meses antes em Paris, ingleses, franceses e americanos – os holandeses foram um pouco mais tarde – assinaram o Tratado de Paris pondo fim à Revolução Americana”, conta.

    “Cuddalore, na Índia, foi de fato a última batalha da Revolução Americana”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original