Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    União Europeia demonstra preocupação por opositores de Maduro na Venezuela

    Suprema Corte venezuelana decidiu que os adversários do atual presidente Maria Corina Machado e Henrique Capriles não poderão concorrer

    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro em Caracas
    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro em Caracas 16/8/2023 REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria

    Léo Lopesda CNN

    em São Paulo

    A União Europeia expressou preocupação, nesta segunda-feira (29), pelos opositores do presidente venezuelano Nicolás Maduro.

    Na semana passada, a Suprema Corte da Venezuela desqualificou a candidatura presidencial dos adversários de Maduro, María Corina Machado e Henrique Capriles.

    Em comunicado publicado nesta segunda, Serviço Europeu de Ação Externa – instituição diplomática do bloco europeu – afirmou que a “União Europeia está muito preocupada com os recentes acontecimentos na Venezuela”.

    “As decisões destinadas a impedir os membros da oposição de exercerem os seus direitos políticos fundamentais só podem minar a democracia e o Estado de direito”, acrescenta a nota.

    “A UE apela à plena implementação do Acordo de Barbados e à continuação de um processo de diálogo inclusivo que possa conduzir a eleições justas e competitivas em 2024. Portanto, celebramos a decisão das partes no processo de negociação liderado pela Venezuela de permanecerem na mesa de negociações”, concluiu a nota.

    No domingo (28), a Organização dos Estados Americanos (OEA) também criticou a decisão da Justiça venezuelana.

    A entidade se referiu ao governo atual do país como “ditadura” e disse compreender que as últimas ações da autoridade do país “já deixaram claro” que não havia intenção de permitir que “eleições limpas e transparentes” ocorressem no país.  

    O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela anunciou a desqualificação da então candidata à Presidência do país, María Corina Machado na última sexta-feira (26).  

    Líder da oposição venezuelana Marina Corina Machado em Caracas / 26/10/2023 REUTERS/Leonardo Fernandez Viloria

    O impedimento diz respeito à uma medida anterior, da Controladoria-Geral da Venezuela contra a candidata, por conta da falta de inclusão de pagamentos de gratificações alimentares em declaração juramentada de bens.  

    Horas antes, a Corte também decidiu que Henrique Capriles, que já concorreu à presidência por duas vezes, está inelegível por irregularidades administrativas.

    A decisão surge justamente no meio de uma onda de acusações por parte do Ministério Público da Venezuela contra ativistas e opositores.  

    O porta-voz do governo, Héctor Rodríguez chegou inclusive a acusar a oposição pelo suposto planejamento de um golpe de estado e da arquitetura de assassinato do atual presidente Maduro, segundo apuração da CNN 

    Após a decisão, Machado se pronunciou no X, antigo Twitter: “O regime decidiu acabar com o Acordo de Barbados. O que NÃO está acabando é a nossa luta pela conquista da democracia através de eleições livres e justas. Maduro e o seu sistema criminoso escolheram o pior caminho para eles: eleições fraudulentas. Isso não vai acontecer. Que ninguém duvide, isso é ATÉ O FIM.”