Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Unicef irá direcionar fundos a professores afegãos por fora de governo talibã

    "A melhor maneira de apoiar a educação das meninas no Afeganistão é continuar apoiando suas escolas e professores", argumenta representante do fundo da ONU

    Sanam, 16 anos, proibida pelo Talibã de ir à escola, continua estudos em casa
    Sanam, 16 anos, proibida pelo Talibã de ir à escola, continua estudos em casa Brent Swails/CNN

    Gibran PeshimanCharlotte Greenfieldda Reuters

    O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) disse que estava planejando criar um sistema para financiar diretamente os professores afegãos depois que a comunidade internacional congelou os fundos para a administração liderada pelo Talibã.

    “O Unicef está criando um sistema que permitirá pagamentos diretos aos professores sem que os fundos sejam canalizados através das autoridades de fato”, disse Jeannette Vogelaar, chefe de Educação do Unicef no Afeganistão, à Reuters em um e-mail.

    No momento anterior, ela disse que o Unicef começaria a registrar todos os professores das escolas públicas.

    “A melhor maneira de apoiar a educação das meninas no Afeganistão é continuar apoiando suas escolas e professores. O Unicef está pedindo aos doadores que não decepcionem as crianças do Afeganistão”, acrescentou Vogelaar.

    Os serviços públicos do Afeganistão, em particular saúde e educação, estão mergulhados na crise desde que o movimento islâmico Talibã tomou posse do país em 15 de agosto.

    Muitos governos estrangeiros proibiram o financiamento fora da ajuda humanitária, que é canalizada através de agências multilaterais.

    Isso tem sido geralmente limitado a suprimentos urgentes, como trigo e cobertores, deixando os funcionários do serviço público, incluindo professores, sem pagamento por meses. Bilhões de dólares em fundos do banco central afegão mantidos no exterior também foram congelados.

    A comunidade internacional tem alertado que o Talibã pode restringir a educação feminina, e as escolas secundárias para meninas em muitas partes do país têm permanecido fechadas mesmo enquanto as para meninos têm sido autorizadas a abrir.

    Um funcionário do Talibã disse à Reuters esta semana que em breve haveria “boas notícias” de que meninas mais velhas seriam autorizadas a voltar à escola, e que elas estavam trabalhando com o Unicef e outras organizações internacionais sobre o assunto.

    “Estamos trabalhando especialmente com o Unicef e algumas outras organizações internacionais para chegar a uma boa solução. Temos reuniões diárias”, disse Waheedullah Hashimi, diretor de Programas Externos e Ajuda no Ministério da Educação do Afeganistão.

    “Temos um problema que, economicamente, não estamos bem… é por isso que estamos solicitando à comunidade internacional, às organizações internacionais, especialmente aquelas que têm fundos para situações de emergência, que nos ajudem nesse sentido”, acrescentou.