Veja 8 destaques do relatório sobre OVNIs divulgado pelo governo dos EUA

Apesar de não ser um grande estudo sobre os objetos voadores não identificados, documento enviado ao Congresso traz pontos interessantes de análise

Relatório dos EUA sobre OVNIs foi divulgado sexta-feira (25) à noite
Relatório dos EUA sobre OVNIs foi divulgado sexta-feira (25) à noite Foto: Stars Academy Of Arts & Science/Reuters

Análise de Chris Cillizza, da CNN

Ouvir notícia

A comunidade de inteligência dos Estados Unidos divulgou na noite de sexta-feira (25) algo notável: um relatório não secreto enviado ao Congresso sobre fenômenos aéreos não identificados (UAP, em inglês), também conhecidos como objetos voadores não identificados (OVNIs).

E isso foi algo relevante! Principalmente quando se considera que, durante décadas, o governo americano negou totalmente a existência de objetos voadores que simplesmente não conseguia identificar ou, em algumas situações, explicar.

O relatório de 9 páginas (leia, em inglês) não é exatamente um estudo exaustivo sobre OVNIs, nem confirma ou desmistifica a existência de vida alienígena. 

E o fato de ter sido divulgado em uma sexta-feira à noite também não foi algo acidental em termos de o governo fazer tudo o que pode para dar pouca visibilidade para o relatório.

Apesar disso, há uma série de informações interessantes no relatório. 

Veja algumas das principais citações com o contexto de seu significado:

1. “Nossa análise dos dados apoia a construção de que se e quando incidentes UAP individuais forem resolvidos, eles cairão em uma das cinco categorias explicativas potenciais: desordem aerotransportada, fenômenos atmosféricos naturais, USG ou programas de desenvolvimento da indústria dos EUA, sistemas adversários estrangeiros uma ‘outra’ caixa para exceções.”

OK, então existem cinco categorias básicas para OVNIs de acordo com o relatório: Coisas aleatório aerotransportado (como pássaros), fenômenos meteorológicos, protótipos de defesa – tanto dos EUA quanto de “sistemas adversários estrangeiros” – e então a “outra” caixa. E, sim, eu (e o resto do mundo) estou mais interessado nessa “outra” caixa.

2. “Depois de considerar cuidadosamente essas informações, a UAPTF se concentrou em relatórios que envolviam a UAP, amplamente testemunhados em primeira mão por aviadores militares e que foram coletados de sistemas que consideramos confiáveis.”

A UAPTF é a abreviação de Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados, claro (Não há nada que o governo goste mais do que siglas). O que esta linha diz é que a força-tarefa decidiu dar prioridade aos relatos de OVNIs “testemunhados em primeira mão por aviadores militares”. O que é corretamente interpretado como significando que esses relatórios são: a) sérios. b) confiáveis.

3. “Nenhum mecanismo de relatório padronizado existia até que a Marinha estabeleceu um em março de 2019. A Força Aérea posteriormente adotou esse mecanismo em novembro de 2020, mas permanece limitado aos relatórios do USG.”

Incrível! Não havia nenhum meio formal dentro do governo para registrar avistamentos de OVNIs até que a Marinha iniciou um em 2019!!! E a Força Aérea não fez o mesmo até, aproximadamente, seis meses atrás! O que revela: a) quão resistente o governo tem sido em reconhecer os OVNIs; b) quantos avistamentos provavelmente foram perdidos.

4. “[Houve] 144 relatórios originados de fontes do USG. Destes, 80 relatórios envolveram observação com vários sensores.”

Essa linha estabelece o universo que a força-tarefa examinou. Houve incidentes entre 2004 e 2021 – e mais da metade foram confirmados por “sensores múltiplos”.

5. “Narrativas de aviadores na comunidade operacional e analistas do Exército e do IC descrevem a depreciação associada à observação de UAP, relatando-a ou tentando discuti-la com colegas. Embora os efeitos desses estigmas tenham diminuído como membros seniores do meio científico, políticas, militares e comunidades de inteligência se envolvem seriamente no tópico em público, o risco de reputação pode manter muitos observadores em silêncio, complicando a busca científica do tópico. “

Coisas importantes aqui – um reconhecimento de que o número de relatos de OVNIs pode ter sido mantido artificialmente baixo por causa do estigma há muito associado a relatar esse tipo de coisa, particularmente entre os militares e a comunidade de inteligência. 

Isso, de acordo com a força-tarefa, diminuiu um pouco à medida que “membros seniores das comunidades científica, política, militar e de inteligência se envolvem seriamente no assunto em público”.

6. “Em 18 incidentes, descritos em 21 relatórios, os observadores relataram padrões de movimento ou características de voo incomuns do UAP. Alguns UAP pareciam permanecer estacionários em ventos elevados, mover-se contra o vento, manobrar abruptamente ou mover-se a uma velocidade considerável, sem meios discerníveis de propulsão. Em um pequeno número de casos, os sistemas de aeronaves militares processaram energia de radiofrequência (RF) associada aos avistamentos de UAP. “

Olhos emoji!!!! Tipo, isso parece ser algo grande! Um total de 18 incidentes em que OVNIs “pareceram permanecer estacionários em ventos elevados, mover-se contra o vento, manobrar abruptamente ou mover-se a uma velocidade considerável, sem meios de propulsão discerníveis.” 

Em linguagem simples, isso significa que os militares detectaram fenômenos aéreos não identificados que pareciam não ser afetados pelo vento, mover-se de maneiras que não podem ser explicadas e ser impulsionados de maneiras que não podem ser explicadas. O que é muito, muito interessante.

7. “Com exceção da única instância em que determinamos com alta confiança que o UAP relatado era desordem no ar, especificamente um balão esvaziando, atualmente não temos informações suficientes em nosso conjunto de dados para atribuir incidentes a explicações específicas.”

Então, certa vez, a coisa que as pessoas pensavam ser um OVNI era um “balão murcho”. Mas, TODAS as outras vezes, a comunidade militar e de inteligência não consegue explicar o que o OVNI realmente era. O que, novamente, é algo muito importante.

8. “Embora a maior parte do UAP descrito em nosso conjunto de dados provavelmente permaneça não identificado devido a dados limitados ou desafios ao processamento ou análise de coleta, podemos precisar de conhecimento científico adicional para coletar, analisar e caracterizar com sucesso alguns deles.”

A maioria desses episódios permanece misteriosa, de acordo com o relatório, porque simplesmente não há informações adequadas disponíveis para explicá-los. Então, no entanto, existem alguns incidentes que “podem exigir conhecimento científico adicional para coletar, analisar e caracterizar alguns deles com sucesso”. Tipo, ciência avançada além de nossa capacidade atual. Interessante!

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN