Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja imagens de destruição em campo de refugiados em Rafah após ataque de Israel

    Benjamin Netanyahu diz que houve "erro trágico"; Israel afirma que matou combatentes do Hamas

    Tiago Tortellada CNN

    Um ataque israelense na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, no domingo (26) deixou ao menos 45 mortos, segundo autoridades do território palestino. A ofensiva causou um incêndio no local, que destruiu estruturas e veículos. Veja imagens da destruição na galeria acima.

    O governo de Israel afirma que o ataque foi direcionado contra uma estrutura do Hamas, sendo que dois integrantes de alta patente do grupo armado morreram na ação.

    Além disso, uma autoridade israelense pontuou que os civis podem ter morrido em decorrência do incêndio.

    Os militares destacaram que fizeram a operação “baseada em inteligência precisa”.

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o ataque não tinha como objetivo causar vítimas civis e será investigado.

    “Em Rafah, já retiramos cerca de 1 milhão de residentes não combatentes e, apesar de nosso maior esforço para não prejudicar os não combatentes, algo infelizmente deu errado tragicamente”, pontuou em discurso no Parlamento que foi interrompido por gritos de parlamentares da oposição.

    O Hamas, por sua vez, destacou que a alegação israelense de que havia combatentes na área é “vergonhosa” e que o caso mostra que o governo de Netanyahu está desafiando a decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ) para que os ataques em Rafah cessem.

    Veja mais imagens da destruição após o ataque:

    Líderes mundiais condenam ataque

    Os Estados Unidos pontuaram que o ataque foi “desolador” e que vão investigar a ação, que matou “dezenas de palestinos inocentes”.

    Além disso, diversos líderes mundiais condenaram o ataque de Israel contra Rafah.

    Alemanha e União Europeia ressaltaram que a decisão da Corte Internacional de Justiça (CIJ) para que Israel cesse os ataques em Rafah deve ser respeitada.

    O presidente francês, Emmanuel Macron, disse estar “indignado” com a ação. “Essas operações devem parar. Não há áreas seguras em Rafah para os civis palestinos”, disse Macron em um post no X.

    A agência da ONU para refugiados palestinos destacou que a situação é horrível. “Gaza é o inferno na terra. As imagens da noite passada são mais uma prova disso”, escreveu a UNRWA no X.

    *com informações da CNN e da Reuters