Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Veja quais países apoiam Israel e quem é pró-Palestina

    Conflito violento entre israelenses e palestinos acontece desde antes da fundação do Estado de Israel, em 1948

    Da CNN

    O conflito entre israelenses e palestinos sofre com a violência desde antes da fundação de Israel em 1948. Milhares de pessoas de ambos os lados foram mortas ou feridas em ataques ao longo de décadas.

    Embora diferentes governos tenham ficado à margem e outros tenham apoiado a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que apelava à criação de dois Estados, Israel e Palestina, como solução para o conflito, ambas as populações tiveram o reconhecimento oficial em todo o mundo ao longo dos anos em países distintos.

    Além disso, cada um deles tem apoio político de diferentes lados geopolíticos, como o Ocidente para Israel e os países do Oriente Médio que apoiaram os palestinos na oposição aos israelenses.

    Reconhecimento e apoio a Israel

    • Estados Unidos
    • França
    • Alemanha
    • Itália
    • Reino Unido

    Israel tem relações diplomáticas com 166 países, segundo o seu governo, com um forte bloco de apoio ocidental, que inclui os Estados Unidos, França, Alemanha, Itália e Reino Unido, que juntos anunciaram o seu apoio ao Estado nesta semana após os ataques do grupo radical islâmico Hamas.

    O bloco disse num comunicado, em 9 de outubro, que apoiaria os esforços de Israel para se defender e ao seu povo “contra tais atrocidades”, acrescentando que “este não é o momento para qualquer parte hostil a Israel tirar vantagem destes ataques para obter vantagem”.

    Na mesma declaração, os governos acima mencionados afirmaram reconhecer “as aspirações legítimas do povo palestino e o apoio a medidas equitativas de justiça e liberdade tanto para israelenses como para palestinos”, porque é claro — disseram os países — que o Hamas não representa as aspirações do povo palestino e não oferecem nada além de “terror e sangue”.

    O chefe da Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, afirmou que Israel tem o direito de se defender dos ataques terroristas do Hamas, mas deve fazê-lo de acordo com o direito internacional.

    “A punição coletiva contra todos os palestinos será injusta e improdutiva. Irá contra os nossos interesses e contra os interesses da paz”, declarou Borrell após uma reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE em Mascate, Omã. “Nem todos os palestinos são terroristas”.

    Embora a UE considere o Hamas uma organização terrorista, o Governo Autônomo Palestino “é nosso parceiro”, disse Borrell.

    VÍDEO – Rússia diz que ação de Israel na Síria é “violação grave”

    “Israel tem o direito de se defender, mas deve fazê-lo de acordo com o direito internacional, o direito humanitário e algumas decisões são contrárias ao direito internacional”, acrescentou.

    Os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer Israel como um Estado em 1948 e o primeiro a reconhecer Jerusalém como sua capital em 2017.

    Entre os países que atualmente não mantêm relações com Israel estão:

    • Irã
    • Argélia
    • Afeganistão
    • Venezuela
    • Kuwait
    • Líbano
    • Líbia
    • Sudão
    • Síria
    • Arábia Saudita
    • Omã
    • Iraque
    • Paquistão
    • Qatar

    Nos últimos anos, Israel reforçou as suas relações com os estados do Golfo Pérsico, impulsionado por uma animosidade partilhada em relação ao Irã e à sua crescente influência na região.

    Israel afirma que o Irã apoia o grupo radical islâmico Hamas com cerca de US$ 100 milhões por ano. O Departamento de Estado dos EUA afirmou em 2021 que o grupo recebe financiamento, armas e treinamento dos iranianos, bem como alguns fundos angariados em países do Golfo.

    E, para procurar aliados no Oriente Médio, Israel tem-se aproximado cada vez mais de países com os quais não mantinha relações diplomáticas anteriormente, para contrariar o antagonismo com o Irã.

    Em setembro de 2020, o então presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se juntaram aos ministros das Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein na Casa Branca para celebrar acordos históricos de normalização entre Israel e os dois países árabes.

    Nesse ano, além dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein, Marrocos e Sudão também normalizaram as relações com Israel.

    Durante anos, Israel manteve relações secretas com muitos dos estados sunitas do Golfo, alimentadas nos últimos anos por uma aliança mútua contra o Irã (de tendência xiita).

    Ainda assim, as relações são anteriores ao acordo nuclear com o Irã em mais de uma década, em alguns casos, à medida que os Estados do Golfo procuravam tirar partido do cenário de alta tecnologia de Israel e os israelenses procuravam garantir o seu lugar num turbulento Oriente Médio.

    Entre estas relações de bastidores, destaca-se a dos Emirados Árabes Unidos, com numerosos exemplos públicos dos laços crescentes entre os dois estados, cada vez mais comuns.

    No final de 2015, Israel abriu uma missão de nível diplomático junto à Agência Internacional de Energia Renovável em Abu Dhabi. Em 2018, a então Ministra da Cultura, Miri Regev, fez uma visita de Estado à Grande Mesquita após a conquista da medalha de ouro israelita num torneio de judo nos Emirados.

    Israel também foi convidado para a Expo 2020 de Dubai, uma exposição global que foi adiada pela pandemia do coronavírus.

    Tal como os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein também mantém laços secretos com Israel há anos. Além disso, o Bahrein tem uma pequena, mas sustentada comunidade judaica, da qual um dos membros foi embaixador do país nos Estados Unidos entre 2008 e 2013.

    O pequeno reino do Golfo também acolheu a apresentação da parte econômica do plano de paz da Casa Branca no Oriente Médio, indicando a sua vontade de colaborar com os Estados Unidos – e mais tarde com Israel – nesta questão, mesmo numa altura em que o progresso no conflito israelo-palestino não parece possível.

    Em 2018, Mousa Abu Marzouk, um alto funcionário do gabinete político do Hamas em Gaza, censurou os Estados árabes por avançarem no sentido da normalização das relações com Israel, apontando para a “onda de normalização dos laços com a ocupação israelense”.

    Marzouk disse que a Iniciativa de Paz Árabe, um plano de pacificação apresentado pela Arábia Saudita em 2002, estipulava que um acordo de paz entre israelenses e palestinos deve ocorrer antes do reconhecimento oficial e dos laços entre os Estados árabes e Israel.

    Entretanto, o Egito e a Jordânia reconheceram o seu vizinho Israel em 1979 e 1994, respectivamente, e tiveram o que os observadores chamam de “uma paz fria”.

    VÍDEO – Hamas tinha até 30 mil combatentes antes da guerra

    O reconhecimento dos palestinos

    • Afeganistão
    • Argélia
    • Líbia
    • Marrocos
    • Egito
    • Síria
    • Catar
    • Irã
    • Venezuela
    • Iémen

    A situação dos palestinos é um pouco mais complexa, pois, embora tenha reconhecimento e relações bilaterais com 139 países, não é oficialmente reconhecido como Estado na ONU.

    Os países que reconhecem uma entidade palestina o fazem através do Governo Autônomo Palestino, liderado por Mahmoud Abbas na Cisjordânia. Entretanto, eles não reconhecem o Hamas.

    Ao contrário de Israel, países como Afeganistão, Argélia, Líbia, Marrocos, Egito, Síria, Catar, Irã, Venezuela, Iémen, entre outros, mantêm relações diplomáticas com os palestinos.

    O Chile, que tem uma das maiores comunidades de ascendência palestina fora do Oriente Médio, reconheceu o Estado da Palestina e mantém relações diplomáticas a nível de embaixada.

    A Assembleia Geral das Nações Unidas e o Tribunal Penal Internacional reconhecem a Palestina como um Estado soberano. Mas, embora muitos países o reconheçam como tal, este não é um Estado porque não cumpre os requisitos.

    Na ONU, a Palestina é um Estado Observador, semelhante ao Vaticano, concedendo aos palestinos um certo grau de reconhecimento implícito como Estado.

    Os palestinos têm o estatuto de “observadores permanentes” na ONU desde 1974, quando a Organização para a Libertação da Palestina foi reconhecida como observador, uma posição que não está definida na Carta da ONU.

    A missão, que mais tarde foi oficialmente rebatizada de “Palestina” dentro do sistema da ONU, recebeu em 1998 privilégios anteriormente que apenas pelos Estados-Membros tinham.

    Entre eles, o direito de participar do debate geral no início da Assembleia-Geral e de co-patrocinar resoluções, o que confere à delegação um status único, a meio caminho entre o de observador e o de membro.

    Entre os países que apoiam os palestinos está o Irã, cujo presidente, Ebrahim Raisi, disse no último domingo (8) que o seu país “apoia a legítima defesa da nação palestina”.

    “O regime sionista e os seus apoiadores são responsáveis ​​por colocar em perigo a segurança das nações da região”, disse Raisi, citado pela agência de notícias “Mehr”.

    O Irã é o arqui-inimigo de Israel e os dois países há muito se envolvem numa espécie de guerra por procuração, na qual grupos apoiados pelo iranianos lutam contra as Forças de Defesa de Israel.

    VÍDEO – Hamas dispara foguetes de Gaza contra Israel; veja vídeo

    Israel acusa o Irã de apoiar o Hamas

    Entretanto, o Egito, o primeiro país árabe a normalizar as relações com os israelenses, mediou a relação entre Israel e várias facções palestinas durante todo o conflito e pressionou as partes para evitarem a sua escalada, conforme relatado pela Reuters.

    O Egito, com a Península de Sinai, faz fronteira com Gaza e Israel.

    O Catar é outro país da região próximo aos territórios palestinos e também emergiu como um grande apoiador de grupos islâmicos após os protestos da Primavera Árabe que começaram em 2011. O Catar vê o impasse como uma oportunidade para demonstrar seu valor como mediador.

    Nesta crise de violência, o Catar manteve conversas com o Hamas sobre os reféns que o grupo extremista mantém em Gaza.

    Os Estados Unidos fizeram uma coordenação com o Catar, que desempenham um papel fundamental de mediação com o Hamas, disse um alto funcionário à CNN.

    Entretanto, em meio a guerra na Ucrânia, a Rússia é outro ator importante nas relações com Israel na região.

    Por um lado, a Rússia tem sido aliada de alguns dos adversários mais ferrenhos de Israel e dos mais importantes apoiadores do Hamas. O país bombardeou rebeldes sírios que estavam contra o presidente Bashar Al-Assad durante a guerra civil no país. Mas também mantém laços fortes e seguros com Israel. O presidente Vladimir Putin se reuniu com o primeiro-ministro Netanyahu em diversas ocasiões.

    No conflito entre russos e ucranianos, Israel enfrentou pressão internacional e interna para falar mais a favor da Ucrânia e contrariar a Rússia.

    Tel Aviv argumentou que deveria usar a sua posição única como um dos poucos países aliados ocidentais que tem um canal de comunicação aberto com a Ucrânia e a Rússia.

    Entretanto, a China mantém há muito tempo uma relação amigável com os líderes palestinos.

    Abbas, presidente do Governo Autónomo Palestino na Cisjordânia – que perdeu o controle de Gaza para o Hamas em 2007 – visitou Pequim cinco vezes nas suas quase duas décadas no poder.

    Durante a sua última viagem em junho, o presidente chinês, Xi Jiping, e Abbas anunciaram uma atualização das relações bilaterais para uma “parceria estratégica”.

    Mas a China também reforçou os seus laços económicos com Israel nos últimos anos, intensificando o comércio e o investimento em setores que vão da tecnologia às infra-estruturas. Israel participou na iniciativa “Belt and Road” de Pequim, com a construção de um novo porto em Haifa, o centro marítimo mais movimentado do país, por uma empresa estatal chinesa.

    Pequim prometeu a Abbas, que com a “sabedoria e força” chinesa resolveria o conflito entre árabes e israelitas, o que tem sido um apelo à moderação de ambos os lados.

    Os chinses se abstvieram de separar o grupo e tentou se apresentar como uma parte neutra no conflito, ao contrário da maioria dos países ocidentais. A resposta discreta de Pequim aos ataques do Hamas no sábado provocou a reação de Israel.

    Após as críticas, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Mao Ning, foi um pouco mais longe numa entrevista coletiva, afirmando que a China estava “profundamente entristecida pelas vítimas civis” e condenou “qualquer ato que prejudique civis”.

    No entanto, ele evitou a questão de saber se Pequim vê os ataques do Hamas a civis como atos terroristas e reiterou a mensagem de neutralidade, chamando a China de “amiga de Israel e da Palestina”.

    Pequim – que tentou parecer neutra nos conflitos – absteve-se de nomear o Hamas, descrevendo vagamente a crise como uma “escalada de tensões e violência entre a Palestina e Israel”.

    Tal como a Rússia e a maioria dos países árabes, a China considera o Hamas uma organização de resistência, e não um grupo terrorista como os Estados Unidos e a União Europeia o designam.

    Veja também: Crise humanitária se aprofunda em Gaza

    *Publicado por Douglas Porto 

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original