Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Venezuela vai suspender quarentena nacional durante mês de dezembro

    Toque de recolher em todas as cidades na fronteira com Colômbia e Brasil também será temporariamente suspenso; restrições serão retomadas em janeiro



     

    A Venezuela vai suspender, a partir desta segunda-feira (30), as medidas de quarentena nacional e o toque de recolher imposto a todas as cidades na fronteira com a Colômbia e o Brasil. O anúncio foi feito pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, durante uma declaração televisionada na noite desse domingo (29). 

    Assista e leia também:
    Executivos americanos são condenados a até 13 anos de prisão na Venezuela
    Mulheres fugindo da Venezuela são alvos de abuso em meio a fronteiras fechadas
    Venezuelanos roubam petróleo e fazem sua própria gasolina por conta de escassez

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro
    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro
    Foto: Divulgação – 29.out.2020 / Palácio de Miraflores via Reuters

    O alívio das medidas para conter a Covid-19 vai durar quatro semanas, para atividades econômicas e sociais durante o mês de dezembro, informou Maduro, acrescentando que as restrições serão retomadas em janeiro.

    Ao menos 53 setores da economia – incluindo eventos esportivos e musicais, academias e cafeterias – poderão retomar os trabalhos durante esse período. Protocolos de saúde como uso de máscara, distanciamento social e quarentena obrigatória para aqueles que chegam ao país continuam em vigor, disse Maduro.

    Até sábado, a Venezuela tinha 101.760 casos de Covid-19 e 892 mortes relacionadas à doença, de acordo com o Ministério da Saúde do país.

    Além de impor medidas de isolamento social, os médicos afirmam que o governo venezuelano está usando pousadas e outras instalações para colocar em quarentena pacientes com suspeita do novo coronavírus.

    Contudo, esses locais ganharam uma reputação negativa por serem considerados pouco higiênicos, lotados e semelhantes a prisões por muitos venezuelanos.

    (Com informações de Tatiana Arias e Ana Cucalon, da CNN, em Atlanta)