Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    10 projetos de design e arquitetura que prometem moldar o mundo em 2024

    A previsão é a de que este ano trará uma mistura equilibrada de ousadia e beleza

    Pode não parecer, mas este é um prédio comercial de escritórios em Singapura
    Pode não parecer, mas este é um prédio comercial de escritórios em Singapura Divulgação/nbbj Architecture and Design Firm

    Oscar Hollandda CNN

    O ano passado na arquitetura pode ser lembrado por superlativos, depois que a Índia inaugurou o maior edifício de escritórios do mundo e o Merdeka 118, na Malásia, tornou-se o segundo arranha-céu mais alto já construído.

    Mas 2023 também foi um ano que celebrou a sutileza, com uma escola interna chinesa cuidadosamente projetada chamada World Building of the Year e o arquiteto britânico David Chipperfield recebendo o Prêmio Pritzker – equivalente ao Nobel no campo – por uma carreira dedicada a instituições culturais discretas.

    Aqui estão 10 projetos arquitetônicos destinados a moldar o mundo em 2024:

    Assembleia Nacional do Benin, Porto-Novo, Benin

    Kéré tornou-se o primeiro arquiteto africano a conquistar o cobiçado Prêmio Pritzker / Divulgação/Kere Architecture

    Desde sua primeira comissão, projetando uma escola primária para sua vila em Burkina Faso em 2001, o arquiteto Francis Kéré construiu sua reputação em instalações cívicas e comunitárias modestas. Com 35.000 metros quadrados, o plano para uma nova assembleia nacional no vizinho, Benin, é uma perspectiva completamente diferente.

    O design foi revelado com relativa discrição em 2021, mas no ano seguinte, Kéré tornou-se o primeiro arquiteto africano a conquistar o cobiçado Prêmio Pritzker. Agora, o mundo estará observando de perto para ver como os princípios que ele defende há muito tempo – ventilação natural, sombreamento amplo e o uso de materiais locais – são aplicados em uma escala mais grandiosa.

    A empresa de Kéré, sediada em Berlim, afirma que a aparência de topo pesado do prédio foi inspirada na árvore palaver, que tradicionalmente servia como local de reunião. Uma sala de assembleia no térreo acomodará os 109 assentos do legislativo do Benin, enquanto um parque público ao redor oferece “uma sensação de abertura e transparência”, conforme acrescenta a descrição do projeto da empresa.

    Floresta Vertical de Nanjing, Nanjing, China

    O edifício faz parte de uma campanha global sobre silvicultura urbana/ Stefano Boeri Architetti

    O Bosco Verticale (ou “Floresta Vertical”) coberto por árvores em Milão, Itália, tornou-se um símbolo de design verde desde que foi inaugurado quase uma década atrás. Mas para o arquiteto Stefano Boeri, o chamativo projeto residencial foi apenas o começo.

    Com um manifesto comprometido em lançar “uma campanha global sobre silvicultura urbana”, a empresa de Boeri realizou projetos semelhantes na Europa e além. O mais recente, na antiga capital da China, Nanquim, contará com cerca de 800 árvores e mais de 2.500 arbustos e plantas rasteiras instalados em varandas cuidadosamente configuradas.

    Composto por duas torres – a maior das quais tem 200 metros de altura – a mais recente Floresta Vertical conterá escritórios, um museu e um hotel com uma piscina no último andar. A empresa de Boeri afirmou que as 27 espécies nativas que brotam das fachadas dos edifícios promoverão a biodiversidade e reduzirão as emissões de dióxido de carbono em cerca de 18 toneladas por ano.

    Kunstsilo, Kristiansand, Noruega

    Este projeto foi fruto de um concurso de design com mais de100 empresas de arquitetura inscritas / Kunstsilo

    Um alto silo de grãos da pré-guerra na cidade norueguesa de Kristiansand ficou vazio quando o moinho local fechou, após 370 anos de operação contínua, em 2008. No entanto, autoridades locais ordenaram que a estrutura de patrimônio desativada fosse preservada, e um subsequente concurso de design – que atraiu inscrições de mais de 100 empresas de arquitetura – incumbiu os participantes de reimaginar o espaço como uma galeria de arte.

    A proposta vencedora, da Mestres Wåge Arquitectes e MX_SI, deixa grande parte da fachada do silo intacta. No entanto, internamente, o espaço do armazém foi reconfigurado para acomodar 3.000 metros quadrados de espaço de exposição, com iluminação superior iluminando o espaço através das “células” cilíndricas de concreto da estrutura.

    Antigamente capaz de armazenar até 15.000 toneladas de grãos, o Kunstsilo agora abrigará – entre muitas outras coisas – a Coleção Tangen, com 5.500 obras, a maior coleção privada de arte nórdica acumulada pelo mecenas de arte Nicolai Tangen, que também é natural de Kristiansand.

    Keppel South Central, Singapura

    Esta é a torre Keppel de Singapura; trabalharia em um lugar assim? / Divulgação / NBBJ

    Em uma era de trabalho remoto e mandatos de retorno ao escritório, os arquitetos estão repensando o papel dos locais de trabalho corporativos na vida das pessoas. Os ocupantes da futura torre Keppel South Central de Singapura, então, podem ter mais motivação do que a maioria para abandonar o home office, graças aos seus amplos espaços verdes e a uma arejada piscina ao ar livre.

    As leis de planejamento verde no pequeno estado do sudeste asiático exigem que os desenvolvedores imobiliários reservem espaço para paisagismo ao construir novos arranha-céus, e o design da torre de 33 andares é pontuado por terraços verdes para os trabalhadores. Há também uma oferta pública: A fachada do edifício se curva perto da base para se tornar um dossel para uma praça ao ar livre contendo lojas, cafés e restaurantes.

    Em outras áreas, células solares montadas no telhado e sistemas de captura de água da chuva contribuem para o que a empresa de arquitetura NBBJ ousadamente afirma que tornará este um dos “desenvolvimentos de edifícios de escritórios mais sustentáveis de Singapura até hoje”.

    EVE Park, Canadá

    Comunidade oferece carregadores de veículos elétricos e programa de compartilhamento de carros/Gensler/Studio Dror

    Anunciado aos potenciais compradores como uma “comunidade totalmente elétrica alimentada pelo sol”, o Electric Vehicle Enclave Park (ou EVE Park) no Ontário, Canadá, é um projeto residencial com balanço líquido zero direcionado diretamente aos entusiastas de veículos elétricos.

    Fiel ao seu nome, o desenvolvimento oferece carregadores de veículos elétricos e um programa de compartilhamento de carros para os residentes. Em vez de garagens ou um estacionamento no nível do solo, cada um dos edifícios de condomínio contém uma torre de estacionamento automatizada “inteligente” que armazena veículos verticalmente, liberando espaço para jardins e paisagismo.

    Projetado para a empresa s2e Technologies pelo escritório de arquitetura dos EUA, Gensler, as quatro estruturas residenciais circulares podem acomodar um total de 84 residências. Elas estão posicionadas e orientadas para maximizar a exposição solar para a massa de painéis solares que alimentam a “micro-rede” da comunidade.

    EPIQ, Quito, Equador

    A coloração rosada foi inspirada nos tons terrosos do centro histórico da cidade/ Uribe Schwarzkopf/Bjarke Ingels

    Quito está ficando mais alta a cada ano. Em meio a uma espécie de boom de construção, a capital do Equador recebeu arranha-céus projetados por arquitetos famosos como Moshe Safdie, Jean Nouvel e Ma Yansong nos últimos anos. Mas é talvez Bjarke Ingels, fundador da empresa de design dinamarquesa BIG, que teve o maior impacto na modesta linha do horizonte da cidade.

    Em 2022, o arquiteto concluiu o trabalho no IQON, com 436 pés de altura, agora a estrutura mais alta da cidade. Este ano, ele retorna com outro desenvolvimento de quatro letras, EPIQ, na ponta sul do Parque La Carolina (muitas vezes chamado de Central Park de Quito).

    O desenvolvimento misto de 24 andares é dividido em oito volumes distintos – ou “edifícios dentro de um edifício”, como a BIG descreveu – que estão conectados por terraços elevados exuberantes. A coloração vermelha e rosa foi, segundo a empresa, inspirada nos tons terrosos e no padrão de espinha de peixe vistos no centro histórico da cidade, que é um Patrimônio Mundial da UNESCO.

    Restauração do Grand Palais, Paris, França

    O palácio de Beaux-Arts já foi salão de exposições, espaço para eventos e até hospital militar/ Chatillon Architectes

    A recém-restaurada Notre Dame não é a única grande renovação chegando ao fim em Paris este ano. A apenas três quilômetros a oeste da catedral fica o histórico Grand Palais, que está fechado ao público desde o início de 2021.

    Depois de sediar a Paris Expo no início do século 20, o palácio de Beaux-Arts serviu como salão de exposições, espaço para eventos e até mesmo hospital militar durante a Primeira Guerra Mundial. Mas, embora tenham sido realizados trabalhos em seu telhado de vidro e fundações nesse meio tempo, a estrutura nunca passou por grandes renovações até agora.

    Esta reforma de 212 milhões de euros (232 milhões de dólares), liderada pelos arquitetos da Chatillon, modernizará as instalações, melhorará o acesso e o desempenho ambiental, e mudará a forma como os visitantes se movem pela sala de exposições iluminada pelo sol do complexo. Um nível subterrâneo também será aberto, com o antigo anel de equitação do edifício transformado em uma área infantil.

    As primeiras seções restauradas devem estar prontas a tempo das Olimpíadas de Paris deste verão.

    One Za’abeel, Dubai, Emirados Árabes Unidos

    O edifício conta com uma passarela de 226 metros e 9.500 toneladas/ Kerzner International

    Os Emirados Árabes Unidos, lar do edifício mais alto do mundo, alcançaram outra proeza superlativa de engenharia estrutural: A maior cantilever do mundo.

    Conhecida como The Link, a passarela de 226 metros e 9.500 toneladas foi dramaticamente içada acima de uma movimentada rodovia de Dubai em 2020. Ela conecta os dois arranha-céus – descritos pela Nikken Sekkei, a empresa japonesa por trás do design, como torres “pai e filho” – do desenvolvimento One Za’abeel, que está programado para abrir no próximo mês.

    Com as torres principais do projeto contendo residências, espaço de escritório e um hotel, a porção horizontal do complexo, a 100 metros de altura, abrigará restaurantes “inspirados pela Michelin”, uma piscina infinita e mirantes com vistas sobre a cidade e o Golfo Pérsico.

    Populus Hotel, Denver, EUA

    O design do hotel Populus é inspirado na natureza/ Studio Gang

    Com inauguração prevista para este verão em Denver, Colorado, o hotel Populus de 265 quartos dá uma nova abordagem ao design inspirado na natureza, ou “biófilo”. Inspirada na casca branca e nodosa da árvore nativa álamo, sua fachada branca é pontuada por aberturas que proporcionam aos hóspedes assentos de janela de vários tamanhos, ao mesmo tempo em que dão à estrutura de 13 andares uma aparência refrescantemente irregular.

    O proprietário do Populus, Urban Villages, descreve sua propriedade como o primeiro hotel carbono positivo dos EUA – um título baseado não apenas em características de design de baixa energia, mas também na promessa de plantar milhares de acres de floresta, de acordo com o New York Times.

    O hotel também ostenta uma reivindicação ambiental um tanto nova: Este é o primeiro desenvolvimento no centro de Denver sem estacionamento no local, de acordo com o escritório de arquitetura Studio Gang, que também foi encarregado de uma grande revitalização da praça do Civic Center de Denver.

    Novo teatro no Queensland Performing Arts Centre, Brisbane, Austrália

    O projeto de 117 milhões de dólares pretende um aumento de 300.000 visitantes por ano/Visualiii

    Com sua enorme fachada de vidro ondulado e espaços abertos no foyer, um aguardado novo prédio no Queensland Performing Arts Centre (QPAC) em Brisbane, Austrália, oferece uma transparência raramente associada aos teatros. Mais adiante, no entanto, uma concha de concreto contém a atração principal, um auditório revestido de madeira com capacidade para 1.500 lugares projetado para sediar balés, óperas, teatro e musicais.

    O escritório de arquitetura norueguês Snøhetta e a prática local Blight Rayner – que juntos venceram mais de 20 inscrições em uma competição internacional – afirmam que o design foi inspirado no fluxo do rio Brisbane. O design ondulado também faz uma homenagem aos povos Turrbal e Yuggera, que tradicionalmente eram donos da terra, com os designers citando um poema da poetisa indígena australiana Aunty Lilla Watson evocando as “ondulações” do rio.

    Originalmente prevista para ser inaugurada em 2022, o aguardado projeto de 175 milhões de dólares australianos ($117 milhões) pode adicionar mais 300.000 visitantes à movimentação anual do QPAC.

    Este conteúdo foi criado originalmente em CNN Style.

    versão original