Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Abacaxi era fruta de luxo que só ricos comiam no passado na Grã-Bretanha: “Era como comer uma bolsa Gucci”

    Fruta se consagrou na cultura britânica como um farol de distinção esteticamente agradável

    Esta pintura do século XVII do artista Hendrick Danckerts retrata o jardineiro real presenteando o rei Charrles II da Grã-Bretanha, que se tornaria o rei das frutas
    Esta pintura do século XVII do artista Hendrick Danckerts retrata o jardineiro real presenteando o rei Charrles II da Grã-Bretanha, que se tornaria o rei das frutas Historica Graphica Collection/Getty Images

    Jacopo Priscoda CNN

    Em uma pintura de 1675, o rei da Inglaterra Charles II está em um terraço enquanto o jardineiro real se ajoelha diante dele oferecendo um presente curioso.

    É um dos itens mais desejados da época, representando o máximo em luxo e prestígio. Importado de uma terra distante, está entre os primeiros de seu tipo a fazer a viagem do Novo Mundo à Grã-Bretanha. É um abacaxi.

    Hoje, a fruta exótica dificilmente se qualificaria como um presente adequado para a realeza. Mas naqueles anos, os abacaxis estavam no início de um arco da história durante o qual se tornariam – particularmente na Grã-Bretanha – um símbolo de riqueza e opulência como nenhum outro.

    Abacaxis ainda adornam o topo das torres ocidentais da Catedral de St. Paul, um dos marcos mais emblemáticos de Londres.

    Acreditava-se que a pintura, encomendada pelo próprio rei e atribuída ao pintor da corte, o artista holandês Hendrick Danckerts, comemorava o primeiro abacaxi cultivado na Inglaterra. No entanto, isso não aconteceu até mais tarde.

    “O abacaxi que foi dado a Charles II foi enviado de Barbados”, disse Francesca Beauman, autora do livro “The Pineapple: King of Fruits”, em entrevista por telefone.

    O diarista do rei, John Evelyn, registrou o momento em que Charles II provou a fruta pela primeira vez em um banquete oferecido ao embaixador francês em 1668. Nesse cenário, a simples visão do produto escamoso teria sido recebida com suspiros de admiração.

    “Os abacaxis foram muito procurados desde o início, porque os exploradores que os encontraram no Novo Mundo escreveram sobre eles em termos arrebatadores, falando sobre como eram deliciosos”, disse Beauman.

    Os designs de abacaxi ainda sobrevivem em alguns edifícios notáveis ​​em toda a Grã-Bretanha associados à realeza, incluindo The Pineapple House em Dunmore Park, na Escócia / Imagno/Getty Images

    Sua popularidade se estendeu à América do Norte britânica, onde o jovem George Washington estava entre os admiradores da fruta.

    “Nenhuma agrada ao meu gosto como o pinheiro”, escreveu ele em seu diário durante uma viagem a Barbados em 1751.

    Como os abacaxis não são mencionados na Bíblia ou em nenhum texto antigo da Grécia e Roma, ela acrescentou, eles não tinham ressonância existente.

    Os ingleses podiam, portanto, impor a eles qualquer ressonância que quisessem, e o abacaxi tornou-se o rei das frutas – enraizando-se na cultura britânica de várias maneiras.

    Delicadeza caseira

    Os abacaxis precisam de temperaturas muito altas para crescer e levam anos para amadurecer. No entanto, uma vez que se estabeleceram como as frutas mais desejáveis, as pessoas começaram a cultivá-las na Grã-Bretanha.

    “Apesar do fato de que obviamente é um projeto tolo, já que a Inglaterra e a Escócia têm um clima frio e chuvoso, na década de 1770 qualquer pessoa entre os escalões superiores da sociedade cultivava seus próprios abacaxis – tornou-se uma característica essencial de uma casa de campo”, disse Beauman.

    Isso veio com uma grande despesa e dificuldade. Exigia a construção de estufas especiais chamadas “pinheiros”, que precisavam fornecer aquecimento às plantas por baixo, usando fogões que constituíam risco de incêndio.

    “Foi raro e especial que você realmente tenha sucesso”, disse Beauman. “Cultivar apenas um abacaxi era uma grande conquista que as pessoas exibiam o tempo todo.”

    Os custos de construção e aquecimento, bem como o tempo necessário para obter as frutas, fizeram com que um único abacaxi custasse até 80 libras, de acordo com os cálculos de Beauman – quase US$ 15.000 em dinheiro de hoje.

    “Era quase o mesmo custo de uma nova carruagem com cavalos – o equivalente a comprar um carro novo na Inglaterra georgiana”, disse ela.

    “As pessoas tinham um jardineiro em tempo integral que dormia entre as plantas para garantir que elas não pegassem fogo por engano. Era uma forma de mostrar sua riqueza e rapidamente se tornou um símbolo de status.”

    Abacaxis para aluguel

    Embora a fruta tenha se tornado consagrada na cultura britânica como um farol de distinção esteticamente agradável, ela raramente era comida.

    “Se você fosse muito rico e tivesse um jardineiro realmente incrível, a primeira coisa que gostaria de fazer era enviar um abacaxi de presente a um amigo chique”, disse Beauman.

    “Também seria exibido na mesa da sala de jantar como um símbolo de status e, geralmente, ficaria lá até começar a apodrecer, porque por que diabos você comeria um abacaxi? Seria como comer uma bolsa Gucci.”

    A chance de ser visto com a fruta era tão valorizada que, segundo Beauman, houve casos de aluguel de abacaxi, em que uma fruta era emprestada por algumas horas para ser carregada em uma festa e depois devolvida.

    Eventualmente, o abacaxi começou a ser incorporado em todos os tipos de projetos, incluindo arquitetura e louças. “Eu diria que o abacaxi é naturalmente decorativo”, disse Beauman.

    “É fácil de estilizar e reconhecer, é meio simétrico, é bem simples. Mas também permitiu que a aristocracia comunicasse seus valores de maneira muito direta. E é por isso que a forma de representação mais popular era um abacaxi de pedra em um poste de portão. Isso era comum como um símbolo da gentileza georgiana por volta das décadas de 1770 e 1780, uma forma de demarcar os limites de uma propriedade de forma bastante pública.”

    Muitos desses abacaxis sobrevivem em postes em toda a Grã-Bretanha até hoje, bem como em alguns edifícios notáveis associados à realeza, como a propriedade Dunmore Park perto de Stirling, Escócia, uma antiga residência dos condes de Dunmore, construída em 1761.

    Possui um abacaxi de 15 metros de altura elevando-se sobre seus arredores. Outro exemplo notável é o abacaxi que adorna o topo do troféu de Wimbledon atribuído ao vencedor do torneio individual masculino.

    O tenista espanhol Carlos Alcaraz segura o troféu de Wimbledon, com seu distinto abacaxi, após vencer a grande final masculina em 16 de julho de 2023. / Clive Brunskill/Getty Images

    Quando a exótica iguaria começou a ser importada em grandes quantidades, por volta de 1820 , seu status de luxo supremo foi manchado. “Em 1850, 200.000 abacaxis por ano eram descarregados nas docas de Londres”, disse Beauman.

    “Então, quando a refrigeração e o enlatamento surgiram, no final do século, eles realmente se tornaram onipresentes.”

    No entanto, isso ainda não foi suficiente para fazer com que sua desejabilidade desmoronasse, como confirma uma passagem de “David Copperfield”, de Charles Dickens, escrito em 1850.

    No livro, David diz que, quando tivesse dinheiro, conseguiria café e pão, mas quando não tinha nada, ele caminhou até Covent Garden e “ficou os olhos nos abacaxis”.

    “Para um menino como David Copperfield, em 1850”, disse Beauman, “um abacaxi ainda seria um vislumbre de um mundo de opulência inimaginável”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original