Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como artistas retrataram a rainha Elizabeth II durante seu reinado

    De Andy Warhol aos pintores e fotógrafos oficiais da corte, a rainha foi mostrada de forma séria, cômica ou abrindo espaço para que súditos e admiradores a vislumbrassem em seus momentos particulares

    Gravura de Andy Warhol será leiloada como parte da programação do Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II
    Gravura de Andy Warhol será leiloada como parte da programação do Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II Getty Images

    Nick Glassda CNN

    Foi um daqueles momentos fotogênicos, embora historicamente insignificantes, em que um ícone (genuíno) encontrou-se fugazmente com outro. A rainha Elizabeth II conheceu Marilyn Monroe na estreia de um filme em Londres, em 1956.

    As duas mulheres provavelmente tinham muito pouco em comum além da idade (ambas tinham então 30 anos), fama global e glamour. Um cinegrafista registrou o momento para a posteridade e, por sorte, Andy Warhol passou a fazer serigrafias de ambas as mulheres.

    As serigrafias de Marilyn, feitas por Warhol, estão entre as primeiras que ele publicou, executadas nos meses imediatamente após a morte dela, em 1962. As serigrafias da rainha Elizabeth II, no entanto, estão entre as últimas dele e são menos conhecidas. Elas foram produzidas em 1985, como parte de sua série “Reigning Queens” (“Rainhas reinantes”, na tradução livre), apenas dois anos antes de sua própria morte.

    Com a serigrafia da rainha, Warhol estava – como sempre – brincando com a ideia de celebridade e dissecando a relação entre súdito e persona pública. A imagem é baseada em um retrato fotográfico oficial feito em 1975, pouco antes do aniversário de 49 anos dela. A rainha, usando uma tiara, veste seu “uniforme”, majestosa e bonita, mas também delineada e abstrata em blocos de cores.

    A imagem é artificial, sedutora e memorável. As gravuras – algumas das quais foram polvilhadas com pó de diamante e feitas em cores diferentes em conjuntos de quatro – saíram em uma edição limitada de 40. Antes tarde do que nunca, o Royal Collection Trust finalmente adquiriu um conjunto para o Jubileu de Diamante da Rainha, em 2012.

    Ao fazer serigrafias dela, Warhol nos legou uma imagem para a história da arte e – pode-se argumentar – de eterno glamour real. Tal como aconteceu com Marilyn Monroe, ficamos com Elizabeth como um ícone de Warhol.

    Assim como Henrique VIII foi imortalizado (enorme, ameaçador, de pescoço grosso, rosto pálido e olhos pequenos) por seu pintor da corte, Hans Holbein, o Jovem, essa pode vir a ser uma imagem definidora de Elizabeth II daqui a meio milênio? Warhol evidentemente sentiu uma afinidade de celebridade com seu assunto retratado, uma vez comentando que queria ser “tão famoso quanto a rainha da Inglaterra”.

    Como observou certa vez o historiador britânico, David Cannadine, a rainha foi “provavelmente o indivíduo mais visualmente retratado e representado que já existiu em toda a história da humanidade”. Ela reinou por tanto tempo que só podemos arriscar um palpite quanto ao número de imagens.

    Imagens da propaganda de Mao Zedong (que também foi um dos temas de Warhol entre 1972 e 1973) foram muito divulgadas durante sua vida, mas ele sempre o fez para parecer o mesmo: o benevolente fundador da nação chinesa. Com a rainha, no entanto, as imagens variam em semelhança e meio – pinturas, fotografias, esculturas e hologramas, bem como aquela capa de disco famosamente irreverente para o single “God Save the Queen”, de 1977, do Sex Pistols, onde os olhos e boca da rainha são cobertos pelos nomes da música e da banda.

    Retrato de “Reigning Queens” de Andy Warhol, de 1985 / Courtesy of Sotheby’s

    A rainha nunca teve um pintor da corte como tal. O candidato mais próximo foi provavelmente o artista italiano, Pietro Annigoni, que pintou um retrato dela entre 1954 e 1955, e novamente em 1969. Seu primeiro retrato da jovem rainha capturou particularmente a imaginação do público. Emoldurada pelo que poderia passar por uma paisagem renascentista italiana e vestida com vestes da Jarreteira, ela olha para além de nós sonhadora, mas certeiramente.

    A fotógrafa americana, Annie Leibowitz, a retratou de maneira semelhante meio século depois, em 2007. Com uma capa longa e solitária, a matriarca de cabelos grisalhos olha diretamente para a lente da câmera. A essa altura, ela já estava acostumada com tudo, tendo sido fotografada interminavelmente. Ela também entregava mensagens de Natal na televisão desde 1957.

    Durante seu reinado, o retrato formal pintado foi amplamente substituído pela fotografia. E no início, o artifício governou. A fotógrafa da sociedade, Dorothy Wilding, que tirou as fotos da ascensão em 1952, concentrou-se na juventude e beleza de Elizabeth, e teve algumas impressões coloridas à mão.

    O fotógrafo de moda, Cecil Beaton, que tirou as fotos da coroação em 1953 (e era praticamente fotógrafo da corte em tudo, menos no nome), foi ainda mais longe. Ele promoveu uma visão de conto de fadas, optando por cenários teatrais e alguns retoques criteriosos.

    Fotógrafos britânicos posteriores – notadamente Antony Armstrong-Jones, o conde de Snowdon e ex-cunhado da rainha; e Patrick Lichfield, um de seus primos e Conde de Lichfield – optaram pela informalidade e naturalidade, e nós a conhecemos um pouco melhor no processo. Nos ofereceram vislumbres da rainha e sua família em situações domésticas, tanto no lazer quanto no trabalho. As equipes de televisão começaram a receber acesso incomum para seus documentários.

    Elizabeth II e príncipe Philip
    Elizabeth II e Philip, em retrato oficial de comemoração do 73º aniversário de casamento, com cartão feito pelos bisnetos / Chris Jackson – 17.nov.2020/Getty Images Europe/Divulgação/Reuters

    Mas talvez a verdadeira revolução em nossa percepção da rainha tenha vindo dos membros da imprensa – e de suas lentes teleobjetivas. Elas forneceram alguns dos momentos mais íntimos e desprevenidos. Pudemos vê-la reagindo em choque ao incêndio do Castelo de Windsor em 1992, inspecionando solene e silenciosamente o mar de tributos florais à princesa Diana do lado de fora dos portões do Palácio de Buckingham, em 1997, e derramando uma lágrima no funeral de sua irmã em 2002. Essas imagens a fez parecer mais humana e solidária.

    Dois dos grandes (e mais bem sucedidos comercialmente) artistas do século 20 abordaram retratos da rainha, mas de maneiras muito diferentes. Em 1967, Gerhard Richter produziu uma pintura a óleo baseada em uma fotografia publicada. (No ano anterior, ele a havia capturado em uma litografia).

    Como era o jeito do artista alemão, a imagem dela estava levemente borrada, as cores e as feições exageradas. A rainha parece irreal, se não surreal. Ela ainda é reconhecível, mas de alguma forma assustadoramente não ela mesma; ela parece desconfortável, como se estivesse reprimindo um sorriso nervoso. Não está claro por que Richter a pintou assim – ele nunca ofereceu uma explicação.

    Em 2000, Lucian Freud começou a pintar a rainha. Não era uma comissão no sentido formal. O ex-secretário particular da rainha (e amigo de Freud), Robert Fellowes, havia perseguido a ideia por alguns anos. Foi preciso muita negociação, mas na época da aposentadoria de Fellowes, no início de 1999, Freud finalmente concordou em fazer um retrato.

    As sessões se estenderam por vários meses, entre maio de 2000 e dezembro de 2001. Quando começaram, o artista tinha 77 anos; a rainha tinha 74 anos. O resultado, pintado em empasto pesado, era minúsculo (apenas 9 por 6 polegadas) e previsivelmente controverso. O olho pictórico forense de Freud era inabalável.

    Freud havia solicitado que ela usasse a coroa diadema, como visto em algumas das fotografias de Wilding. A coroa é usada em um pequeno ângulo. Ela está pensativa, um pouco abatida, talvez um pouco cansada. Ela viu e passou por muita coisa. A pintura era – como muitos jornais apontaram – pouco lisonjeira, a antítese do retrato sonhador de Annigoni dos anos 1950. Freud deu de presente a pintura para a Royal Collection. A rainha nunca comentou publicamente sobre ela.

    Teria sido do gosto do príncipe Philip? Provavelmente não. Como pintor amador, ele sabia exatamente do que gostava. Sua coleção particular inclui uma pintura da rainha a cavalo na cerimônia Trooping the Colour. Foi pintado por seu amigo, o artista inglês pós-impressionista e favorito da realeza, Edward Seago. No uniforme da Guarda Granadeiro (chapéu de penas brancas e casaco vermelho), a rainha parecia simples e reconhecivelmente magnífica.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original