Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Miss EUA enfrenta acusações de má gestão e silenciamento das titulares

    Organização do concurso passa por momento delicado após renúncia da Miss EUA e da Miss Teen EUA nos últimos dias

    Miss EUA, Noelia Voight, e Miss Teen EUA, UmaSofia Srivastava
    Miss EUA, Noelia Voight, e Miss Teen EUA, UmaSofia Srivastava Reprodução/Instagram

    Jacqui Palumboda CNN

    Durante o seu ano de serviço, as misses dos concursos de beleza são altamente visíveis, fazendo aparições em grandes eventos, defendendo causas importantes e falando em compromissos públicos, tudo a título oficial.

    Mas após a chocante dupla renúncia da Miss EUA 2023, Noelia Voigt, e da Miss Teen USA 2023, UmaSofia Srivastava, esta semana, com apenas alguns dias de diferença, fontes apontam um quadro bem diferente, com as misses sendo mantidas fora de suas funções habituais, muita desordem e representantes incapazes de expressar as suas experiências – e preocupações.

    A organização Miss EUA, que cuida de ambos os concursos, foi criticada em meio a acusações de má gestão, um ambiente de trabalho hostil e condições que levaram, em particular, à renúncia de Voigt ao cargo, alegando que o seu papel estava afetando sua saúde mental.

    Enquanto Srivastava, 16, que representou Nova Jersey no Miss Teen USA, divulgou um comunicado dizendo que seus valores pessoais “não estão mais totalmente alinhados” com os da organização, Voigt, 24, que representou Utah no Miss USA, divulgou um longo, mas enigmático comunicado, citando sua saúde mental. Logo, porém, tornou-se viral por causa de uma mensagem aparentemente oculta – a primeira letra das primeiras 11 frases dizia “Estou silenciada”. (Voigt não abordou posteriormente esta especulação.)

    “Respeitamos e apoiamos a decisão de Noelia de renunciar às suas funções”, disse o concurso Miss EUA em comunicado após o anúncio de Voigt. “O bem-estar dos nossos titulares é uma prioridade máxima e entendemos a necessidade dela de se priorizar neste momento.” A organização não respondeu ao pedido da CNN para mais comentários.

    Em resposta, várias atuais detentores de títulos estaduais que competiram ao lado de Voigt pelo Miss EUA — incluindo a Miss Carolina do Norte EUA 2023, Jordyn Ashlee McKey; a Miss Wisconsin EUA 2023, Alexis Loomans; e a Miss Nova York EUA, Rachelle di Stasio — compartilharam mensagens nas redes sociais em apoio ao Voigt, pedindo à organização que “libere Noelia da cláusula de confidencialidade do NDA de seu contrato, em perpetuidade, para que ela seja livre para falar sobre suas experiências e tempo como Miss EUA”.

    Denise White, representante de relações públicas de Srivastava e Voigt – e Miss Oregon EUA de 1994 – alegou que ambas as vencedoras estão restringidas por acordos “rígidos” de não divulgação em seus contratos.

    Até o momento, nem Voigt nem Srivastava revelaram publicamente mais sobre o que as levou a desistir. Mas numa carta de demissão fornecida à organização Miss EUA e obtida pela CNN, Voigt destacou uma série de preocupações, que vão desde questões administrativas frustrantes até alegações mais sérias.

    Nele, ela descreveu um “ambiente de trabalho tóxico” que “na melhor das hipóteses, seria provocado por uma má gestão e, na pior, seria um caso de intimidação e assédio”. Ela acusou a CEO do concurso, Laylah Rose, de “caluniar” contra ela em conversas com pessoas dentro e fora da organização, inclusive chamando Voigt de “doente mental”. Rose é empreendedora e CEO da VIP Pageantry Network, que assumiu a marca em 2023.

    Voigt diz que as comunicações de Rose com ela foram “frias e desnecessariamente agressivas” e que ela nunca recebeu uma reunião formal sobre suas responsabilidades. Apesar da falta de comunicação sobre a sua função, ela era “constantemente… ameaçada com ações disciplinares, incluindo a retirada do meu salário”, segundo o documento.

    A organização não conseguiu providenciar acomodações de viagem para Voigt em diversas ocasiões, escreveu ela, e não lhe forneceu apartamento e carro durante meses, conforme descrito em seu pacote de prêmios. Ela também não tinha “uma proteção eficaz”, afirmou, dizendo que foi assediada sexualmente durante um desfile de Natal em Sarasota, Flórida, enquanto estava sozinha com uma pessoa não identificada em um carro.

    De acordo com a carta de Voigt, Rose está “a construir ativamente uma cultura de medo e controle, a antítese do empoderamento das mulheres, que é…insegura para futuros titulares e empregados”.

    Nem, escreveu ela, pode expressar publicamente as suas preocupações, dizendo que está “silenciada contratualmente de poder falar por mim mesma”.

    ‘As coisas estão desmoronando’

    As respectivas demissões de Voigt e Srivastava não foram coordenadas, segundo White. “O que testemunhei e vi foi assédio, um ambiente de trabalho tóxico e intimidação”, disse White em entrevista por telefone à CNN. “Simplesmente não é propício para uma organização que eleva as mulheres e que supostamente promove o uso da sua voz. É exatamente o oposto.” Ambas as vencedoras do concurso buscaram o apoio da administração do Miss Universo

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original

    Tópicos

    Tópicos