Prefeitura do Rio retira exposição com imagem de santa com pênis


Maria Mazzei
02 de março de 2020 às 20:56

 

Centro Cultural Hélio Oiticica

Sede do Centro Cultural Hélio Oiticica, no Rio

Crédito: Reprodução/Facebook

O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, no Rio, reabriu suas portas na segunda-feira (2) sem a exposição “Todxs xs Santxs – Renomeado – #eunãosoudespesa”, do artista Órion Lalli. Nela, havia uma imagem de Nossa Senhora com um seio nu e um pênis.

A decisão de censurar a exposição foi tomada pela gestão do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) após ser alvo de críticas nas redes sociais.

A obra foi exposta num esquema de quebra-cabeça que mostrava dois homens sem roupa se acariciando. Ao lado dessas imagens, a frase: "Deus acima de tudo, gozando acima de todos".

Após o deputado estadual Márcio Gualberto (PSL) ter criticado a obra em um vídeo publicado em suas redes sociais, a polêmica ganhou repercussão e dividiu opiniões.

Pouco depois da publicação do vídeo, tanto ele quanto a deputada federal Chris Tonietto, também do PSL do Rio, entraram com uma notícia-crime contra o artista Lalli e denunciando a exposição.

Dois dias após a denúncia, toda a exposição de Órion foi suspensa pela Secretaria Municipal de Cultura (SMC), sob alegação de que as obras da exposição representavam vilipêndio religioso, um controverso crime expresso no artigo 208 do Código Penal. 

A exposição de Órion Lalli, que é soropositivo e militante ativo da comunidade LGBTQ+, tinha como mote principal, segundo o próprio autor, expor questões sobre o HIV.

O Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica foi inaugurado em 1996 e abrigou obras de relevantes artistas nacionais e estrangeiros. Sua atual gestão afirma ter como objetivo "visibilizar artistas periféricos à história da arte, assim como democratizar o acesso ao público".