Ministério Público do RJ impede carreata contra o isolamento social

Ato estava marcado para sair da Barra da Tijuca, com direção ao Palácio Guanabara. Quem descumprir a decisão da justiça poderá pagar multa de R$ 50 mil

da CNN Brasil, em São Paulo
28 de março de 2020 às 12:38 | Atualizado 28 de março de 2020 às 12:59

Na noite da sexta-feira (27), a 3ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania da Capital proibiu a carreata agendada para este sábado (28), na capital do Rio de Janeiro. Os manifestantes, que pedem o fim do isolamento social e abertura dos comércios, sairiam da região da Barra da Tijuca, zona oeste da capital, em direção ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual do Rio de Janeiro. Quem descumprir a decisão da justiça poderá pagar multa de R$ 50 mil. 

A decisão da justiça considerou o pedido do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), que alegou que “além de violar decretos do Estado e do Município, a realização do evento poderá colocar em risco a saúde das pessoas diante de um cenário de contágio pelo coronavírus (Covid-19)”.  

Por enquanto, a Justiça estadual do Rio de Janeiro já suspendeu carreatas previstas em em Angra dos Reis,Volta Redonda e Barra Mansa. Já nos municípios de Búzios, Cabo Frio, Arraial do Cabo, Macaé e Teresópolis, houve uma “recomendação” para que as manifestações não fossem realizadas. 

Carreatas

Desde que estados e municípios passaram a fechar estabelecimentos comerciais para garantir o isolamento social, manifestantes têm organizado carreatas e buzinaços por todo país. A principal reivindicação é a reabertura do comércio. Cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Maceió e Manaus são alguns dos locais onde as carreatas estavam sendo marcadas. 

No Paraná, o movimento Direita Paraná está à frente das carreatas. Na página oficial no Facebook, o grupo divulga ações que estavam marcadas em locais como Londrina e Maringá. 

O isolamento social é uma das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), para conter o avanço da doença. Segundo o Centro de Sistemas e Engenharia (CSSE) da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, o número de casos confirmados de coronavírus pelo mundo ultrapassa 600 mil. Atualmente, os EUA são o país com o maior número de infecções - mais de 104 mil. Até o momento, o Brasil registra mais de 3.400 casos de coronavírus e 92 mortes.