Doria anuncia prorrogação da quarentena em São Paulo até 10 de maio


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
17 de abril de 2020 às 12:34 | Atualizado 28 de abril de 2020 às 14:03
João Doria, São Paulo, Governo do Estado, Coronavírus, coletiva de imprensa

O governador de São Paulo, João Doria, durante coletiva de imprensa sobre o combate ao novo coronavírus

Foto: Governo do Estado de São Paulo - 09.abr.2020/ Reprodução

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou a prorrogação da quarentena no estado e na capital paulista até o dia 10 de maio para conter a disseminação do novo coronavírus, durante uma coletiva de imprensa nesta sexta-feira (17), conforme antecipou a CNN.

O objetivo, segundo Doria, é "evitar o colapso da saúde pública e, consequentemente, da saúde particular". "Há um mês, tivemos a primeira morte em São Paulo, Hoje, são 853 mortes", disse ele.

"Infelizmente os casos estão em expansão. As UTIs e enfermarias dos hospitais públicos e privados estão recebendo um número maior de pacientes a cada dia, e já temos alguns hospitais públicos à beira do seu limite."

Ele afirmou que para reabrir os comércios é preciso controlar melhor a contaminação. "Não tomamos medidas precipitadas", disse.

"Pelo amor à vida, às pessoas e respeito à medicina, prorrogamos esta quarentena", anunciou o governador, que afirmou que não cogita fechar estradas e rodovias do estado.

Assista e leia também:
Nelson Teich toma posse como ministro da Saúde
Quem é Nelson Teich, substituto de Mandetta no Ministério da Saúde

Doria disse também que o número do isolamento social sofreu uma queda nessa quinta-feira (16) e ficou em 49% na capital paulista e municípios do interior.

Com a proximidade do feriado de Tiradentes (dia 21), o governador reforçou o apelo à população: "Pedimos, por favor, fiquem em casa. A melhor recomendação é ficar em casa e obedecer o isolamento social", afirmou.

"Não temos prazer em ampliar a quarentena, mas temos que proteger vidas", declarou Doria. Inicialmente ela estava prevista para terminar no dia 22 de abril e qualquer anúncio sobre prorrogação seria feito somente nesta data.

Mais de 800 mortes em SP

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), reforçou o pedido de Doria e pediu à população que não viaje no feriado. "O isolamento é a melhor vacina que temos contra o coronavírus", disse ele, acrescentando que apoia a decisão do governo do estado.

Assista e leia também: 
O que acontece com trabalhador que tiver contrato suspenso na quarentena
O Grande Debate: ampliação da quarentena é boa para o Brasil?

"O vírus está se espalhando. Há vítimas em todos os bairros e regiões da capital paulista. Novos leitos são abertos todos os dias. Ontem foram entregues 561 novos leitos, e mesmo assim os hospitais estão lotados", afirmou Covas.

"Nada vai adiantar se a população não seguir as recomendações. Por favor, fiquem em casa. Poupar vidas é nosso melhor investimento", disse o prefeito.

O secretário de saúde do estado de São Paulo, José Henrique Germann, atualizou os números da doença no Brasil: 30.425 casos confirmados e 1.924 mortes.

O estado de São Paulo registra 11.568 casos confirmados de COVID-19 e 853 mortes. Segundo Germann, o número de infectados aumentou 5% em relação ao dia anterior, e o de mortos, 10%. Além disso, há 1.125 pessoas internadas em UTI (unidade de terapia intensiva) e 1.259 em enfermarias.

Ataques ao Congresso

Questionado sobre os ataques desferidos na quinta-feira pelo presidente Jair Bolsonaro contra o Congresso e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), João Doria disse que rechaça as ações.

"Quem agride a Câmara, agride a democracia. Quem agride o Legislativo, não respeita o processo democrático", declarou.