Doria diz que São Paulo não vai cumprir decreto que reabre academias e salões

Na segunda-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou um decreto que incluiu academias e salões de beleza na lista de atividades essenciais

Da CNN, em São Paulo
13 de maio de 2020 às 13:29 | Atualizado 13 de maio de 2020 às 14:50

Em entrevista coletiva, na tarde desta quarta-feira (13), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que ainda não é possível aprovar a reabertura de academias, barbearias e salões de beleza no estado — ao contrário do que prevê um decreto federal editado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Ainda não temos condições sanitárias seguras para permitir a reabertura neste momento. Graças à quarentena, 25 mil vidas foram salvas em São Paulo”, afirmou o governador.

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, alertou para o risco de contaminação. "É importante considerar que a transmissão se dá por secreções respiratórias, gotículas eliminadas e por autoinoculação", que acontece no momento em que a pessoa entra em contato com a superfície contaminada e coloca a mão no olho, rosto ou boca, por exemplo.

"Na academia, as secreções são abundantes. Além disso, quem faz exercício com máscara? Aquela máscara fica úmida", diz. Dimas também explicou que a higienização nas academias, por exemplo, teria de ser feita a cada uso.

Leia e assista também:

Smart Fit não confirma reabertura de academias: 'vamos nos pautar pelo respeito'

Decisão sobre serviços essenciais cabe aos prefeitos, avaliam Leite e Zema

Análise: Eventuais mortes por perda econômica serão fracasso de ações do governo

Decreto presidencial

Na segunda-feira (11), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) publicou um decreto que incluiu academias, salões de beleza e barbearias na lista de atividades essenciais. Pela decisão do governo federal, os estabelecimentos podem funcionar durante a pandemia do novo coronavírus, contanto que sigam as recomendações do Ministério da Saúde.

Embora o governo federal tenha a prerrogativa de estabelecer essa lista, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu aos estados e municípios autonomia para decidir quais serviços podem funcionar em suas localidades durante o cumprimento da quarentena.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-SP), São Paulo registrou 3.378 novos casos da doença nas últimas 24h, totalizando 51.097 no estado. O número de mortes chegou a 4.118.