Prefeitura é investigada por fraudes em licitações da saúde em cidade do RJ

Investigação identificou indícios de irregularidades na compra de medicamentos, EPIsl, testes rápidos para diagnosticar Covid-19, entre outros

Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
09 de junho de 2020 às 10:03
Agentes da Polícia Federal
Foto: Marcelo Camargo - 18.fev.2020 / Agência Brasil

A Polícia Federal, junto ao Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria-Geral da União (CGU), deflagrou investiga fraudes em licitações no Fundo Municipal de Saúde do Município de Carapebus, no estado do Rio de Janeiro, em uma operação realizada nas manhã desta terça-feira (9). 

Estão sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Carapebus, na Secretaria Municipal de Saúde e no Fundo Municipal de Saúde, além de endereços de empresas e pessoas físicas nas cidades de Carapebus, Duas Barras, Campos dos Goytacazes, São João da Barra, Itaperuna, Macaé, Armação de Búzios e Vitória (Espírito Santo).

Segundo informações da PF, a investigação dos órgãos identificou indícios das fraudes em dispensas de licitação para a compra de medicamentos, equipamentos de proteção individual (EPIs), testes rápidos para diagnosticar o novo coronavírus, aluguel de equipamentos e insumos hospitalares, e contratação de companhia para construir hospital de campanha.

Assista e leia também:
Três pessoas são presas por fraude em venda de respiradores
TCU quer que governo diminua fraudes no auxílio emergencial
MP investiga quadrilha por fraude em compra de produtos contra a Covid-19

Dentre esses indícios, verificou-se a escolha de empresas antes mesmo da instauração de processos de licitação, companhia com sede em endereço residencial, sem empregados e/ou bens, além de contratação de fornecedor com vínculo familiar com servidor lotado na Secretaria de Saúde.

A soma de recursos públicos envolvidos nas dispensas de licitação investigadas é de aproximadamente R$ 4,7 milhões (quatro milhões e setecentos mil reais).

De acordo com a PF, a palavra scepticus, nome da operação, é de origem latina, significa ceticismo e traduz a falta de crença nas ações empreendidas pelos agentes públicos e empresários investigados no combate à Covid-19.