SP terá programa para 'retreinar' policiais militares para prevenir violência

Anúncio ocorre após vídeo mostrar policial sufocando jovem

Murillo Ferrari e Leonardo Lellis Da CNN, em São Paulo
22 de junho de 2020 às 14:18 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 15:15

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (22) um programa para treinar policiais militares para prevenir casos de violência policial, o "Retreinar". Os primeiros a se submeterem ao programa serão os membros do comando da PM.

"É incompatível com uma polícia bem treinada e bem preparada que uma minoria que representa menos de 1% possa comprometer 99% de uma polícia séria que é treinada e preparada para proteger as pessoas e o patrimônio das pessoas", disse o governador em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

Doria disse que o programa terá início em julho, "iniciando no comando da PM e, depois, a academia do Barro Branco, para que possamos retreinar todo o comando das nossas tropas para evitar que esse 1% de maus policiais, que insistem em utilizar a violência desnecessária junto à população possam compreender que isso não é aceitavel na PM de SP", disse.

Leia e assista também

Vídeo mostra policiais sufocando jovem durante abordagem na Grande São Paulo

Jovem sufocado por PM poderia ser repetição do caso George Floyd, diz ouvidor

O anúncio ocorre após a divulgação de um vídeo que mostra o momento em que um policial militar agride, sufoca – com um dos joelhos no pescoço – e enforca até deixar desacordado um jovem de 19 anos na Vila Silviania, em Carapicuíba, na Grande São Paulo, no fim de tarde de domingo (21). 

Nas imagens, é possível ver que Gabriel Nunes Nonato de Sousa é agredido, cai no chão e depois tem o pescoço pressionado por alguns minutos, enquanto estava deitado no asfalto. Já na calçada, o policial enforca o jovem até deixá-lo desacordado.

"A ideia é em quinze, vinte dias que chegue na ponta da linha, no sargento, no cabo e no soldado, para que todos relembrem o que aprenderam nas escolas: defender o cidadão, proteger, tratar as pessoas como gostariam de ser tratados", afirmou o secretário-executivo da PM, coronel Camilo.

Ele ressaltou que o comando da PM não compactua com erros. "Cortamos na carne, se necessário. 220 policiais já foram demitidos ou expulsos só nessa gestão. Não falamos com orgulho, mas em sinal de transparência e de rigor nas apurações."