Efeitos do ciclone bomba podem chegar à Bahia e estados do sudeste, diz Marinha

São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia podem sentir efeitos como fortes ventos e ondas

Anna Satie, da CNN em São Paulo
30 de junho de 2020 às 21:35 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 22:11

Os efeitos do ciclone bomba poderão atingir outros estados além da região sul do país, informou a Marinha nesta terça-feira (30). 

De acordo com o comunicado, ventos de até 88 km/h podem chegar à faixa litorânea entre os estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, até a noite desta quarta (1º). 

Também há chance de ondas de três a quatro metros de altura em alto mar entre o Rio de Janeiro e a Bahia, ao sul de Caravelas, entre quarta e a manhã da sexta-feira (3).

O órgão também alerta que a aproximação de uma frente fria poderá provocar rajadas de vento de até 74 km/h na faixa ao norte de Arraial do Cabo até o sul de Guarapari, no Espírito Santo.

Leia também:

'Ciclone bomba': 2ª onda pode chegar nesta madrugada, diz chefe da Defesa Civil

Chegada de 'ciclone bomba' causa estragos no sul do Brasil

A Marinha pede aos navegantes que consultem o portal do Centro de Hidrografia antes de irem ao mar.

O ciclone bomba atingiu Santa Catarina nesta terça-feira (30), deixando três mortos e mais de um milhão de imóveis sem energia elétrica.

O que é um ciclone bomba? 

De acordo com o meteorologista da Climatempo André Madeira, o ciclone extratropical recebe esse apelido por causar uma queda de pressão em curto espaço de tempo.

Esse fenômeno pode causar ventos intensos e agitação marítima. No entanto, Madeira diz que a ocorrência é "relativamente comum" para essa época do ano. 

"São relativamente comuns nesta época do ano, e ocorrem aqui, no litoral do país, na região Sul, principalmente entre maio e setembro. São áreas de baixa pressão que, geralmente, se formam associados à uma frente fria. Também há a possibilidade de neve na Serra Gaúcha na quinta-feira (2)", disse.