Ministro sinaliza diálogo com instituições filantrópicas ligadas à educação

A baixa posição do país em rankings internacionais, como o Pisa, foi um dos tópicos apontados na posse de Milton Ribeiro

Iuri Pitta
Por Iuri Pitta, CNN  
18 de julho de 2020 às 16:35
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, durante sua cerimônia de posse
Foto: Isac Nóbrga/PR (16.jul.2020)


O ministro da Educação, Milton Ribeiro, vai buscar uma aproximação com instituições filantrópicas voltadas à educação para as políticas de melhoria dos indicadores do Brasil no setor. A baixa posição do país em rankings internacionais, como o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa, na sigla em inglês), foi um dos tópicos apontados pelo novo titular da pasta ao tomar posse do cargo, na quinta-feira. 

Ribeiro pretende ter a valorização do professor na sala de aula como uma de suas principais linhas de atuação à frente do MEC. O ministro quer buscar referências, inclusive internacionais, para desenhar as ações do ministério a serem implementadas. 

“Queremos abrir um grande diálogo para ouvir os acadêmicos e educadores que, como eu, estão entristecidos com o que vem acontecendo com a educação em nosso país, haja vista nossos referenciais e colocações no ranking do Pisa”, discursou Ribeiro, na quinta-feira. 

Leia também:

Novo ministro da Educação toma posse defendendo autoridade do professor

A crise no MEC e os desafios do novo ministro da Educação

O ministro conversou sobre o assunto com o dirigente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Piauí (Sinduscon), André Baía - ambos atuaram em ações de filantropia da igreja presbiteriana.

“Fui designado para coletar junto às instituições filantrópicas voltadas para educação sugestões de como conectar os mundos acadêmico e real num contexto atual da quarta revolução industrial”, escreveu o empresário, frisando na postagem o perfil conservador do novo titular do MEC. 

Dirigente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Piauí (Sinduscon), André Baía, postou conversa
Foto: Reprodução/Instagram

Entendimento

A postura de diálogo com o terceiro setor é oposta à adotada pelo ex-ministro Abraham Weintraub. Durante sua gestão, a relação do MEC com organizações como o Todos pela Educação, Fundação Lemann e Instituto Ayrton Senna passou por profundo desgaste.  

A inflexão na gestão da pasta foi apontada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, ao dar posse a Ribeiro. “Existe hoje em dia uma gama enorme de excelentes e excepcionais professores em todos os níveis no Brasil, e, com toda a certeza, a chegada de um ministro voltado para o diálogo, usando a sua experiência e querendo o melhor para as crianças, esse entendimento se fará presente”, discurso Bolsonaro. 

Mais cedo, Ribeiro usou as redes sociais para destacar o papel do ministro da Economia, Paulo Guedes, nas discussões sobre a renovação do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que precisa ser renovado pelo Congresso Nacional até o fim do ano e está em discussão na Câmara dos Deputados.