Baleia que encalhou em praia de Alagoas morre depois de retornar ao mar

Segundo ambientalistas, a maré baixa dificultou o trabalho de resgate do animal

Diego Barros, da CNN no Recife
22 de julho de 2020 às 09:56 | Atualizado 22 de julho de 2020 às 11:55

A baleia-fin que encalhou no litoral norte de Alagoas foi encontrada morta nesta quarta-feira (22) depois de ter retornado ao mar ontem. O trabalho de resgate do animal durou mais de 24 horas e contou com a ajuda de biólogos, veterinários, pesquisadores e voluntários.

Eles lutaram contra o tempo e se uniram para tentar salvar o animal de 13 metros de comprimento. A principal dificuldade foi a maré baixa. Quando a maré voltou a encher, a baleia voltou ao oceano sob aplausos.

Nesta manhã, porém, o animal foi encontrado morto.

Leia também:
Baleia encalhada mobiliza equipes de resgate no litoral do Nordeste

Ela encalhou viva no Litoral Norte de Alagoas, em uma área de difícil acesso, em Carro Quebrado, município de Barra de Santo Antônio. O espécime de Bbaleia-fin (Balaenoptera physalus) que estava bastante debilitado, magro e com ferimentos.

Durante o período de resgate, o animal foi medicado e mantido umedecido para evitar a mais ferimentos na pele, provocados pelo sol.

Já m filhote de baleia jubarte que encalhou em Itamaracá, no litoral norte de Pernambuco não teve a mesma sorte. O animal foi encontrado morto no pontal da ilha.

De acordo com a prefeitura do município, a causa da morte do animal, que foi levado para a faixa de areia por conta das correntes marítimas, ainda é indefinida. Desde o fim de semana, o filhote de aproximadamente 2 metros foi visto na praia de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife. A suspeita é que ele tenha se perdido.

Especialistas consultados pela CNN informaram que entre os meses de julho e novembro, as baleias migram para o litoral nordestino em busca de águas mais mornas e para período de reprodução. Elas vêm do hemisfério sul, onde as temperaturas são muito baixas em consequência do inverno.

Baleia-fin (Balaenoptera physalus), com 13 metros de comprimento, está encalhada no litoral de Alagoas
Foto: Divulgação/ Instituto Biota de Conservação