Alvos de prisão por fraude na saúde do Rio são investigados pelo MP há 6 anos

Operação do MP e da Polícia Civil foi deflagrada nesta quinta (23) para investigar supostos desvios de recursos públicos na área da saúde

Leandro Resende e Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
23 de julho de 2020 às 12:24
MP e Polícia Civil realizaram operação que mira supostos desvios em contratos do Iabas com a prefeitura do Rio: foram expedidos cinco mandados de prisão preventiva
Foto: Reprodução/CNN (23.jul.2020)

Quatro dos cinco alvos de mandados de prisão nesta quinta (23), em operação que investiga supostos desvios de R$ 6,5 milhões em contratos do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas) com a prefeitura do Rio de Janeiro, já foram investigados pelo Ministério Público fluminense.

A CNN levantou que Luis Eduardo Cruz e Simone Amaral da Silva Cruz, presos em Campinas, interior de São Paulo, foram investigados em 2018 e chegaram a ser presos também por integrarem uma organização criminosa que desviou R$ 6 milhões em dois anos. 

Marcos Duarte da Cruz aparece em uma apuração de 2014 do MP do Rio no qual é apontado como o responsável pelas compras do Iabas — segundo os investigadores, as autorizações para compra eram suspeitas.

Leia também:

Alerj pede para STF negar pedido de Witzel para barrar impeachment
Ex-governador do DF Agnelo Queiroz é alvo de operação contra corrupção na saúde

Já o empresário Francesco Favorito Sciammarella Neto foi denunciado em 2016 por sonegação fiscal de taxas cobradas para exportação de materais. 

Segundo informações do Ministério Público e da Polícia Civil, os quatro foram presos por integrarem "complexo esquema criminoso para a dissimulação do desvio desses recursos, com repasses fraudulentos de verbas para empresas intermediárias prestadoras de serviços".

Os investigados são suspeitos de desviar mais de R$ 6,2 milhões dos cofres públicos com o pretexto de realização de serviços de exames laboratoriais, jardinagem nas unidades de saúde, aluguel de veículos e manutenção predial por quatro fornecedores.

Em nota, o Iabas ressaltou que não tem mais ligação com o ex-diretor Luis Eduardo Cruz. “O Iabas está colaborando com as autoridades, mas ressalta que mantém estritos padrões de comportamento ético e legal e que presta regularmente contas de suas ações aos órgãos de controle das entidades contratantes e aos Tribunais de Contas. Todas as suas prestações de contas relativas aos contratos com a prefeitura do Rio foram aprovadas, apenas as informações de 2019 ainda estão sob análise.”