Após reclamação de hoteleiros, prefeitura do Rio vai debater Réveillon

Do Estadão Conteúdo
26 de julho de 2020 às 16:00 | Atualizado 27 de julho de 2020 às 06:28
Queima de fogos na praia de Copacabana no Réveillon de 2019
Foto: Gabriel Monteiro - 1.jan.2019/ Secom/ Agência Brasil

Integrantes dos setores de hotelaria e restaurantes receberam com descontentamento a notícia de que, por causa da pandemia, não seria possível fazer a festa de Réveillon presencial na Praia de Copacabana, na zona sul da cidade. A prefeitura do Rio de Janeiro prometeu um debate sobre alternativas.

No sábado (25), a prefeitura havia anunciado que não realizará o tradicional formato da celebração, que costuma reunir milhões de pessoas na orla para o show de fogos de artifícios e atrações musicais.

Leia Mais: 

Sem réveillon oficial, hotéis sugerem queima de fogos em pontos turísticos do RJ

Réveillon do Rio de Janeiro está suspenso

Suspensão de réveillon no Rio é absurda, diz presidente da associação de hotéis

Em nota, a Riotur ressalta que ainda vai apresentar "um novo modelo para a festa, com possibilidades virtuais, devido à pandemia" e destaca que "fogos serão mantidos", embora não tenha esclarecido o lugar de exibição nem se será permitida presença de público.

Segundo a prefeitura, ainda será discutida uma proposta de novo formato para a festa do Réveillon 2021 com o setor de hotéis, restaurantes e demais envolvidos.