ONG faz homenagem às 100 mil vítimas de Covid-19 com balões em Copacabana


Da CNN
08 de agosto de 2020 às 09:26
ONG enche a praia de Copacabana com balões vermelhos pelas vítimas da Covid-19

ONG Rio de Paz enche a praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, com balões vermelhos para homenagear as 100 mil vítimas de Covid-19 no país

Foto: Reprodução do Instagram/Rio de Paz

No dia em que o Brasil deve atingir a marca de 100 mil mortes por Covid-19, a ONG Rio de Paz decidiu fazer uma homenagem às vítimas para que a data não passe em branco.

A ONG decidiu encher e espalhar mil balões vermelhos biodegradáveis pela praia de Copacabana neste sábado (8), um dos principais cartões-postais da cidade do Rio de Janeiro. Cem deles estão fixados em cem cruzes pretas fincadas na faixa de areia da praia. A manifestação será encerrada às 11h com a soltura dos balões, que representam as vidas perdidas.

A marca de 100 mil vítimas deve ser atingida neste sábado e oficializada com a divulgação de novo boletim diário no fim da tarde. O Brasil será o segundo país a atingir tal marca, depois dos Estados Unidos (que estão com 161.347 mortes, de acordo com dados da Johns Hopkins).

Leia também:
Bolsonaro lamenta quase 100 mil mortes por Covid-19, mas defende 'tocar a vida'
Pesquisa faz radiografia da Covid-19 no Brasil
Saúde confirma 1.079 mortes e 50 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas

Segundo dados do Ministério da Saúde, o país registrou 1.079 mortes e 50.230 casos na sexta-feira (7). Com o acréscimo das informações contidas no boletim diário, o país acumula 99.752 mortes e 2.962.442 diagnósticos positivos.

"Que nosso luto seja sincero e transformador. Que dure além do Carnaval. Nós todos morremos um pouco quando assistimos indiferentes a negligência governamental com a vida", escreveu a ONG em seu perfil do Twitter. 

No seu perfil no Instagram, a Rio de Paz afirma: "Neste sábado, quando o Brasil chega à estatística de 100 mil brasileiros mortos pela Covid-19, o Rio de Paz pergunta: por que somos o segundo país em número de mortos?" A frase está fixada em um cartaz também em Copacabana.