Entenda como será a testagem de professores para a volta às aulas no RJ

Reunião entre integrantes do governo estadual definirá protocolos de segurança e a data para o retorno dos alunos

Da CNN
14 de agosto de 2020 às 10:06 | Atualizado 14 de agosto de 2020 às 10:08

Na próxima terça-feira (18), representantes do governo estadual do Rio se reúnem para discutir o protocolo que será adotado para a retomada das aulas presenciais na rede estadual e particular de ensino. A gestão também prepara a testagem dos profissionais da educação. A previsão de retorno das aulas é para setembro.

Em entrevista à CNN, na manhã desta sexta-feira (14), Pedro Fernandes, Secretário Estadual de Educação do Rio de Janeiro, explicou os protocolos para a volta às aulas presenciais. Ele também detalhou como funcionará a testagem dos professores e funcionários.

"A testagem será feita pela Secretaria de Saúde em parceria com o Corpo de Bombeiros. A ideia é que a gente teste primeiro os profissionais administrativos, que já voltaram aos trabalhos, e antes dos alunos voltarem para as escolas os demais profissionais serão testados. Caso for identificado alguém com sintomas ou com Covid-19 ele será afastado para que possa se recuperar", explicou.

Leia também:

Como será a volta às aulas em São Paulo

Prefeitura recorre de decisão que suspendeu volta às aulas no Rio

Pedro Fernandes, Secretário Estadual de Educação do Rio
Foto: Reprodução/CNN

O secretário afirma ainda que, mesmo com o prazo estipulado para setembro, a volta às aulas ainda não tem uma data definida. A decisão cabe à Secretaria de Saúde do Estado.

"Nós ainda não estabelecemos nenhum prognóstico de volta às aulas. A Secretaria de Saúde ainda não nos passou nenhuma data e é importante dizer que esta é uma crise de saúde pública. Só a pasta vai poder dizer o momento que poderemos retornar. O que nós já estamos fazendo é a garantia da preparação para o retorno", afirmou. 

Quanto ao impacto dos meses sem aula, Fernandes disse que o 'buraco' causado pela pandemia, naturalmente causará 'perdas'. No entanto, a pasta já prepara estratégias para a reposição na aprendizagem escolar.

"Mesmo sem as atividades presenciais, nós mantivemos ativos os nossos alunos através das plataformas que disponibilizamos. Mas nada substitui o professor em sala de aula. Por isso, naturalmente, nós vamos ter 'perdas'. Em exceção do terceiro ano que irá se formar este ano, todas as demais séries poderão levar o conteúdo para reposição no próximo ano", finaliza.

(Edição: André Rigue)