MEC investirá R$ 24 mi em pacotes de internet para estudantes de baixa renda

Aparelho celular ou computador para a navegação na internet terão de ficar por conta do aluno, segundo o MEC

Marcos Amorozo, Caroline Rosito e Rudá Moreira, da CNN, em Brasília
17 de agosto de 2020 às 16:50
Celulares tornaram-se meeio para assistir a aulas em meio à pandemia
Foto: Tatyana Makeyeva/Reuters (28.set.2019)

O Ministério da Educação (MEC) vai disponibilizar internet 4G gratuitamente para cerca de 400 mil estudantes de baixa renda das instituições de ensino superior para o acesso às aulas remotas. A informação foi antecipada pela analista de política da CNN, Basília Rodrigues. A proposta foi apresentada em entrevista coletiva nesta segunda-feira (17) e garante apenas o pacote de dados. O aparelho celular ou computador para a navegação na internet terão de ficar por conta do aluno.

Leia mais:
Com atraso, MEC leva internet para universitários na pandemia

A expectativa do MEC é de que o benefício chegue a 797 municípios com sedes de universidades federais e Institutos Federais que oferecem aulas remotas. A seleção dos alunos que receberão o benefício será feita pelas instituições. Durante a coletiva, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, admitiu que houve um “certo atraso” para a implementação da medida devido a burocracia interna do Estado. 

"Houve um delay para tomarmos essa iniciativa. [...] O percurso administrativo que as coisas públicas possuem, toda nossa burocracia interna, nos torna um pouco mais lentos. Foi uma das causas para que a gente tenha demorado um pouco mais do que seria razoável", defendeu o ministro. 

O MEC afirmou que vai investir cerca de R$ 24 milhões para o pagamento dos pacotes de internet para os estudantes de baixa renda e que o número de beneficiados pode chegar a 900 mil. 

A conectividade será ofertada por meio de bônus de dados móveis. Eles terão validade de 90 dias e os créditos serão de 10 gigabytes a 40 gigabytes. Há também a possibilidade de fornecimento de pacotes de dados móveis por meio de chips pré-pagos, que terão validade de 30 dias e créditos de dados que variam de 5 gigabytes a 40 gigabytes.