Volta às aulas envolve exemplo de autoridades, diz especialista

Priscila avaliou que a retomada deverá contar com esforços para diminuir a taxa de evasão nas aulas presenciais e passará pelo "exemplo de autoridades"

Da CNN
24 de agosto de 2020 às 15:40

A presidente-executiva da organização não governamental Todos Pela Educação, Priscila Cruz, disse à CNN, nesta segunda-feira (24) que o planejamento da volta às aulas presenciais é um "desafio gigantesco" que envolverá ação coordenada e dependerá do controle da pandemia da Covid-19.

Priscila avaliou que a retomada deve contar com esforços para diminuir a taxa de evasão nas aulas presenciais e passa pelo "exemplo de autoridades". 

Leia e assista também:

Não haverá reprovação de alunos em SP em 2020, diz secretário de educação
Efeito da pandemia na educação será 'brutal' para mais pobres, diz Priscila Cruz
Rossieli Soares explica que quarto ano do ensino médio em SP será opcional

A presidente-executiva da organização não governamental Todos Pela Educação, Priscila Cruz
Foto: CNN (24.ago.2020)

"O que realmente vai fazer com que a gente mitigue esse potencial aumento da evasão é uma ação coordenada, entre educação, saúde, assistência social, cultura e esporte. Essas áreas todas precisam trabalhar juntas", orientou, acrescentando que "o ensino remoto nunca vai substituir o presencial".

"Não é algo que apenas o secretário de Educação dá conta, pois tem uma série de decisões dos governadores e prefeitos, além de muito a ver com os exemplos que as autoridades nacionais precisam dar, porque é pelo controle da pandemia que poderemos pensar, falar e planejar a volta às aulas", analisou.

Para ela, "enquanto a pandemia não estiver controlada, é muito difícil falar em retomada das aulas". Por outro lado, a presidente da ONG disse que "sabemos que é pela retomada e pela educação que vamos conseguir nos recuperar, como país, dessa pandemia".

"Realmente, deveria ser um trabalho conjunto e coordenado de toda a nação e não apenas de um ou outro", frisou.

Ao todo, o país tem oito estados sem aulas presenciais, suspensas por decreto: Amapá, Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins.

Apenas cinco estados já definiram ou iniciariam o retorno às salas de aula: Amazonas, Acre, Piauí, Rio de Janeiro e São Paulo. Veja a situação sobre as aulas presenciais nos estados.

(Edição: Sinara Peixoto)