Polícia Civil investiga venda de testes falsos de Covid-19 em São Paulo

Ação é um braço da operação realizada nesta manhã na capital federal, durante a qual o secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, foi preso preventivamente

Da CNN
25 de agosto de 2020 às 06:38 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 20:16

A Polícia Civil realiza, nesta terça-feira (25), a segunda fase da Operação Falso Negativo para combater a aquisição de testes falsos do novo coronavírus no estado de São Paulo.

A ação é um braço da operação realizada nesta manhã na capital federal, durante a qual o secretário de Saúde do DF, Francisco Araújo, foi preso preventivamente.

Os agentes cumprem oito mandados de busca e apreensão na capital paulista e na Grande São Paulo. 

Assista e leia também:
MP do Rio tenta retomar 11 investigações de fraudes na saúde
Polícia Civil prende ao menos 16 em operação contra facção criminosa em SP

Polícia Civil investiga venda de testes falsos de Covid-19 em São Paulo
Foto: Reprodução - 25.ago.2020 / CNN

Um desses mandados foi cumprido em um edifício de luxo na Lapa, na Zona Oeste de São Paulo. Neste endereço, os policiais apreenderam testes verdadeiros para diagnosticar a Covid-19, computadores e documentos.

Os policiais também apuram irregularidades em uma empresa na cidade de Barueri.

Em nota, a Biomega diz que "não vendeu ao GDF kits de testes rápidos para detecção da Covid-19". "A empresa é um laboratório de análises clínicas que participou de um processo licitatório para prestação de serviços de exames laboratoriais de anticorpos para a Covid-19. O serviço incluiu montagem de tendas, disponibilização de mobiliário apropriado, alocação de recursos humanos nas áreas administrativa, técnica e de analistas especializados na leitura dos testes, que assinam os laudos", acrescenta.

"Também fez parte da prestação de serviço a locação de carros e a contratação de empresa especializada para a remoção do lixo hospitalar. O contrato firmado previa a realização de exames em 100 mil pessoas, tendo havido aditamento para a inclusão de outras 50 mil pessoas examinadas”, conclui o comunicado.

(Com informações de Anthony Walls, da CNN, em São Paulo)