PF faz operação em 4 estados e DF contra lavagem de dinheiro e tráfico de drogas

Os agentes cumprem 21 mandados de prisão e 67 de busca e apreensão

Bia Gurgel e Vianey Bentes, da CNN, em Brasília
27 de agosto de 2020 às 09:09 | Atualizado 27 de agosto de 2020 às 10:24

A Polícia Federal realiza uma operação na manhã desta quinta-feira (27) contra uma organização criminosa dedicada à lavagem de dinheiro e tráfico internacional de drogas na fronteira com o Paraguai.

São cumpridos 21 mandados de prisão e 67 de busca e apreensão em Rondônia, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal. 

De acordo com a PF, as investigações relacionadas ao caso começaram em fevereiro de 2019, com a tentativa de identificar movimentações financeiras do líder do grupo, que hoje está preso na Penitenciária Federal em Brasília.

Assista e leia também:
RJ: Polícia cumpre 103 mandados em operação contra milícia da Baixada Fluminense
Polícia prende ao menos 270 pessoas em operação contra roubo e latrocínio no RJ
Aviões, supermotos, caminhões-tanque: os bens de traficantes apreendidos pela PF

Em Dourados (MS), os policiais apreenderam relógios no endereço de um dos alvos
Foto: Divulgação - 27.ago.2020 / Polícia Federal

O histórico dele envolve tráfico de drogas, associação para o tráfico, lavagem de dinheiro e posse ilegal de arma de fogo. A organização é formada, principalmente, por parentes do preso. Tiveram a prisão decretada a mulher, mãe, padrasto, filhos, genros, irmãos e sobrinhos do principal investigado. 

Os envolvidos participaram de disputas com facções rivais pelo controle do do tráfico internacional de drogas na fronteira entre o Mato Grosso do Sul e o Paraguai.  

Durante a investigação, foram bloqueados mais de R$ 300 milhões de contas bancárias dos envolvidos e as atividades de 22 empresas foram suspensas. Os estabelecimentos eram utilizados pelo grupo para a movimentação de valores ilícitos.  A Justiça Federal também determinou o sequestro de veículos de luxo, com valores que, somados, chegam a R$ 2 milhões. 

O principal investigado foi preso no Paraguai e transferido para o Brasil em 2017, e segundo a Polícia Federal, é "mundialmente conhecido pelo seu envolvimento com o tráfico internacional de drogas e armas".

Todos os mandados foram expedidos pela 3ª Vara da Justiça Federal em Rondônia. A operação desta quinta conta com o apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e da Receita Federal.