Operação remove carcaça de baleia de 15 toneladas em Maricá, no RJ


Stéfano Salles, da CNN no Rio
06 de setembro de 2020 às 09:21 | Atualizado 06 de setembro de 2020 às 09:57
Baleia jubarte encontrada morta na Praia da Restinga, em Maricá

Baleia jubarte macho com 9,6 metros e 15 toneladas foi encontrada já morta na Praia da Restinga, em Maricá

Foto: Divulgação/ Inea

Uma operação especial, sem final feliz, foi montada no sábado (5) na Praia da Restinga, em Maricá, Região dos Lagos do Rio de Janeiro, para remover uma baleia jubarte de 9,6 metros, que apareceu morta na Área de Proteção Estadual de Maricá.

A carcaça do animal, um macho com peso estimado em 15 toneladas, foi removida por agentes do Instituto Estadual do Ambiente (Inea). A baleia estava em estágio avançado de decomposição. Mesmo assim, foi feita a coleta de tecidos para determinar a causa da morte.

Assista e leia também:

Baleia jubarte de 16 metros encalha em Búzios e chama atenção de banhistas

Filhote de orca encalha no litoral norte da Bahia

Baleia-franca e filhote são vistos na costa do Rio de Janeiro

O corpo foi levado para o Aterro Sanitário de Ipiabas, em São Gonçalo, Região Metropolitana, em uma ação que contou com apoio da prefeitura de Maricá e veterinários do Projeto Maqua, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), especializado em mamíferos aquáticos.

A baleia jubarte estava na lista de animais ameaçados de extinção até 2014, quando mudou um patamar na classificação do Ministério do Meio Ambiente e passou para a categoria "quase ameaçada", graças à reprodução no litoral brasileiro.

Agentes do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) coletaram tecidos da baleia

Agentes do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) coletaram tecidos para determinar causa da morte da baleia

Foto: Divulgação/ Inea

Elas costumam ser avistadas neste período, entre julho e dezembro, quando deixam a Antártida, em período reprodutivo.

Geralmente, as jubartes, que podem chegar a 16 metros de comprimento e pesar até 40 toneladas, costumam ter como destino os litorais do Espírito Santo e da Bahia, onde fica Abrolhos, principal berço reprodutivo no país, segundo o Projeto Baleia Jubarte.

Corpo da baleia jubarte foi levado para o Aterro Sanitário de Ipiabas, em São Go

Corpo da baleia jubarte foi levado para o Aterro Sanitário de Ipiabas, em São Gonçalo

Foto: Divulgação/ Inea