Com feriado, SP tem isolamento social mais baixo desde o início da quarentena


Fabricio Julião*, da CNN Brasil
07 de setembro de 2020 às 15:40 | Atualizado 07 de setembro de 2020 às 23:06

O fim de semana do feriado de 7 de Setembro registrou os índices de isolamento social mais baixos no estado de São Paulo e na capital paulista desde o início da quarentena por conta do coronavírus, em 24 de março, segundo levantamento feito pela CNN. Os dados são do Sistema de Monitoramento Inteligente do governo estadual.

Na sexta-feira (4), o estado teve taxa de 40% de isolamento - o mesmo número registrado na capital. Isso não acontecia desde o dia 18 de março, uma quarta-feira. A última sexta-feira com 40% no índice também ocorreu em março, no dia 13.

Leia também:
Saiba quais cuidados tomar para viajar na pandemia
Liberdade de Opinião: Garcia e Rezende avaliam aglomeração nas praias no feriado
Rio tem sábado como menor isolamento social nas últimas três semanas

 

Já no sábado (5) o estado de São Paulo registrou 42% no índice, enquanto a capital paulista obteve 43%. De acordo com os dados do Sistema de Monitoramento Inteligente do governo, não houve nenhum sábado anterior com níveis mais baixos de isolamento social, em ambos os casos.

Assim como no sábado, o domingo (6) também bateu recordes negativos. A cidade de São Paulo registrou 48% de pessoas cumprindo a quarentena. O número é ainda menor na escala estadual, que obteve 46% de isolamento no índice.

O governo de São Paulo atualiza diariamente os dados do índice de adesão ao isolamento social.

Queda no número de mortes

O Estado de São Paulo teve a quarta semana consecutiva de queda no número de mortes pelo novo coronavírus. De acordo com a gestão Doria, em todo esse período o número de novos óbitos caiu mais de 22%, passando de uma média de diária de 252 para 196.

A tendência de descida nas médias diárias tem se mantido semanalmente, segundo o texto divulgado pelo governo do Estado. Entre 9 e 15 de agosto, a média era de 252 novas mortes. Depois, passou para 230 entre os dias 16 a 22 de agosto. De 23 a 29 de agosto, o número ficou em 222. E de 30 de agosto até 5 de setembro foi para 196, uma queda de 12% somente nesta última semana epidemiológica.

*Supervisão Evelyne Lorenzetti. Com informações do Estadão Conteúdo