Escolas de 128 cidades de SP retomam atividades presenciais; veja as regras


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
08 de setembro de 2020 às 12:51 | Atualizado 08 de setembro de 2020 às 23:38

Escolas públicas e privadas do estado de São Paulo retomaram nesta terça-feira (8) atividades presenciais para reforço escolar, recuperação e atividades opcionais em regiões que estão há, pelo menos, 28 dias na fase amarela do Plano São Paulo.

A retomada das atividades curriculares no estado está prevista para o dia 7 de outubro, mas ainda deverá ser confirmada pela Secretaria da Educação de SP.

De acordo com números da própria pasta, ao menos 128 municípios foram autorizados a reabrir parcialmente suas escolas. A decisão final, no entanto, depende das prefeituras.

No caso da cidade de São Paulo, o retorno presencial ainda não foi autorizado porque o governo municipal considera que ainda não há condições de segurança.

Assista e leia também:

Entenda a volta às aulas em São Paulo

Ainda não é seguro reabrir escolas, diz secretário municipal de Educação de SP

SP: Aglomeração vista no feriado pode impactar na volta às aulas, diz secretário

O secretário municipal de Educação de São Paulo, Bruno Caetano, afirmou que o governo aguarda a conclusão de inquérito sorológico para decidir sobre a volta às aulas. 

Levantamento parcial feito pela CNN aponta que pelo menos 18 cidades do estado já decidiram que não retomarão as aulas presenciais em 2020.

As principais recomendações

O governo paulista publicou em seu site um as principais medidas que devem ser adotadas pais, alunos, professores e servidores da área da Educação em relação à retomada das atividades presenciais.

Há também dois manuais mais completos sobre o tema que podem ser baixados no site do governo. Um voltado para pais e alunos e outro direcionado aos professores e servidores.

Entre as medidas destacadas pelo governo, estão a limitação no número de alunos atendidos – em, no máximo, 20% da capacidade da escola –, o funcionamento em horário reduzido, o uso obrigatório de máscaras e o cumprimento do distanciamento mínimo de 1,5 metro.

Assista e leia também:

Inquérito sorológico de SP é 'inútil' para determinar volta às aulas, diz médico

'Grupo de risco não volta', diz secretário sobre retorno às aulas em SP

Associação fará pesquisa com 645 cidades de SP sobre volta às aulas presenciais

Veja o resumo das medidas preventivas recomendadas pelo estado:

- Nas escolas:

• Higienizar salas de aula antes de cada turno;
• Higienizar banheiros a cada três horas e na abertura e fechamento unidade;
• Marcar o distanciamento nos pisos;
• Proibir de compartilhar objetos e materiais;
• Usar copo ou garrafa de forma individual;
• Evitar acesso de pais, responsáveis ou qualquer outra pessoa de fora da escola;
• Fazer intervalos ou recreios com turmas fixas em revezamento de horários;
• Dar prioridade para merenda com alimentos que não necessitem de manipulação;
• Proibir eventos que causem aglomeração;
• Organizar a saída e entrada fora do horário de pico do transporte público

- No transporte escolar:

• Usar máscaras de tecido por alunos e servidores em todo o percurso;
• Intercalar assentos ocupados e livres, orientar alunos a não tocarem nos bancos, portas e janelas e disponibilizar álcool em gel para higienização das mãos;
• Manter janelas semiabertas para circulação de ar;
• Higienizar veículos do transporte escolar entre as viagens

Além disso, a secretaria da Educação determinou que não devem ir à escola servidores ou alunos que se encaixem nas seguintes característias:

• Teve um ou mais dos seguintes sintomas: febre (medida ou referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos (perda do olfato), distúrbios gustativos (perda do paladar), diarreia e dor no corpo;
• Teve contato nos últimos 14 dias com alguém que testou positivo para Covid-19 (ficou a menos de 1 metro de distância por ao menos 15 minutos);
• Teve sintomas de gripe

Pessoas do grupo de risco também não devem ir à escola e permanecer em isolamento social. São considerados grupo de risco as seguintes condições:

• Pessoas com 60 anos ou mais;
• Portadores de comorbidades, Diabetes tipo 1, Hipertensão Arterial (Pressão alta), Insuficiência cardíaca grave ou descompensada, Doença pulmonar crônica ou asma moderada a grave, Doença renal crônica (com necessidade de realização de hemodiálise), Hepatopatias (doenças do fígado);
• Uso de medicamentos imunossupressores;
• Uso de medicamentos imunobiológicos;
• Pacientes imunodeprimidos;
• Câncer em tratamento;
• Obesidade mórbida (IMC> 40);
• Gestantes;
• Portador de doença cromossômica

(Com informações de Julyanne Jucá e Carolina Figueiredo, da CNN, em São Paulo)