Fumaça de queimadas na Amazônia e no Pantanal chega ao Sul e Sudeste do Brasil


Reuters
11 de setembro de 2020 às 17:40 | Atualizado 12 de setembro de 2020 às 17:48

A fumaça das queimadas que devastam a Amazônia e o Pantanal começaram a chegar nos últimos dias às regiões Sul e Sudeste do país, mostram imagens do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

As imagens de satélite mais recentes do instituto, da quarta-feira (9), mostram que a fumaça, ainda que mais concentrada nos estados da região Norte e Centro-Oeste — especialmente no Amazonas, Rondônia, Acre e Norte do Mato Grosso—, já chegam ao Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e parte de São Paulo.

Veja também:

E Tem Mais: o Pantanal em chamas: 12% do bioma já foi destruído pelo fogo

Volume de queimadas no Pantanal em 2020 equivale à destruição dos últimos 6 anos

Incêndios estão levando a Amazônia a um ponto sem volta

Bombeiro em meio à vegetação queimada

Incêndio no Pantanal pode ter consequências no futuro

Foto: Corpo de Bombeiros MT


Ao contrário dos estados mais afetados diretamente pelas queimadas, onde a fumaça é baixa e encobre as cidades, causando problemas respiratórios, a coluna que chega no Sul e no Sudeste está a mil e dois mil metros de altitude, o que não chega a causar desconforto nem afeta a qualidade do ar, explica o chefe do programa Queimadas do Inpe, Alberto Setzer.

"Vai ter efeito no pôr-do-sol, as pessoas vão ver um sol mais alaranjado, até vermelho, a depender da quantidade", diz.

A quantidade de queimadas no país, no entanto, aumenta o volume de fumaça no ar e faz com que os ventos levem mais tempo para dissipá-la e a espalhem mais para o sul.

Em 2019, o dia virou noite em 19 de agosto em São Paulo, em parte pela chegada da fumaça das queimadas. Setzer explica que o fenômeno foi basicamente causado por nuvens carregadas muito baixas que esconderam a luz do Sol, mas a fumaça das queimadas colaborou com a escuridão.

Céu escuro na cidade de São Paulo no dia 19 de agosto de 2019

Céu fica escuro na cidade de São Paulo durante a tarde de 19 de agosto. Na foto, vista da Marginal Pinheiros, na zona oeste da capital paulista

Foto: NIlton Fukuda/Estadão Conteúdo (19.ago.2019)

Já na região norte, períodos dominados pela fumaça são comuns neste época do ano. Nos últimos dias, Manaus (AM) tem amanhecido sob uma cortina de fumaça, causada em grande parte pelas queimadas intensas no Pará que, com as correntes de vento, é levada até a capital amazonense.

Apesar do investimento do governo federal em enviar tropas para a Amazônia para tentar conter as queimadas este ano, os números mostram que os militares até agora não tiveram sucesso.

Os dados do Inpe coletados até esta quinta-feira (10), apontam um aumento de 7% em relação ao mesmo período do ano passado. Um crescimento pequeno, se não fosse o fato de 2019 ter dito o maior número de focos de queimadas detectados pelo Inpe desde 2012, com 108,9 mil pontos até 10 de setembro. Este ano, no mesmo, são 116,9 mil.

O Inpe mostra ainda que apenas na Amazônia Legal — que vai além do Bioma Amazônia —, onde se concentram as forças da missão de Garantia da Lei e da Ordem para combater as queimadas, o aumento foi de 9% em relação a 2019. Já o Pantanal, que enfrente a pior queimada desde 2007, os focos de incêndio cresceram 182% em relação ao ano passado.

"Estamos com números muito parecidos com 2019 na Amazônia, mas temos que lembrar que ano passado não foi nenhuma maravilha. E este ano, outros biomas, como o Pantanal, estão em situação muito difícil", disse Setzer.