PF apreende mais de 120 peças em operação contra tráfico de marfim em SP


Julyanne Jucá, da CNN, em São Paulo
15 de setembro de 2020 às 07:45 | Atualizado 15 de setembro de 2020 às 13:36

A Polícia Federal realizou nesta terça-feira (15) em São Paulo, em parceria com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Polícia Ambiental paulista, uma operação na capital com o objetivo de investigar o tráfico de presas de marfim de elefantes. O material é utilizado em obras de arte.

Os policiais cumpriram 11 mandados de busca e apreensão na cidade de São Paulo, contra pessoas que poderiam estar relacionadas ao contrabando desse material.

Após a identificação do comércio de obras no centro da capital paulista, e levantamentos feitos pela Coordenação de Inteligência de Fiscalização da Diretoria de Proteção Ambiental do Ibama confirmarem indícios da prática do crime ambiental, a PF identificou possíveis receptadores do material.

Assista e leia também:
Carcaça de urso da Era do Gelo perfeitamente preservada é encontrada na Rússia
Bebê elefante morre 27 dias após nascer no zoológico nos EUA
Anonimato na internet contribui para aumento do tráfico de animais, diz ONG

Material era contrabandeado para ser utilizado em obras de arte

Material era contrabandeado para ser utilizado em obras de arte

Foto: Divulgação - 15.set.2020 / Polícia Federal

Segundo a polícia, o crime de tráfico de marfim constitui uma das principais causas da diminuição da população dos elefantes, principalmente no continente africano. 

Os agentes descobriram ao menos 11 endereços relacionados a suspeitos de importarem, adquirirem ou comercializarem obras de arte produzidas com marfim.

Mesmo com a proibição da extração e comercialização do material, mais de 50 mil animais são mortos por ano com esse objetivo.

Ao menos 8 pessoas serão ouvidas e, se condenadas, poderão responder pelo crime de contrabando, além de serem multadas por crimes ambientais. O Ibama informou que já foram lavradas multas no valor de R$ 360 mil.

Segundo a PF, os suspeitos não serão presos inicialmente, mas vão ser ouvidos a respeito da origem e os objetos serão apreendidos.

Mais de 120 peças foram apreendidas nesta terça, além um casco de tartaruga, 2 armas brancas e 3 armas de fogo antigas. Estas parecem ser de colecionador e não de porte comum, mas passarão por perícia para se ter certeza sobre isso.

Cooperação internacional

Em 3 de março de 1973, o Brasil firmou uma parceria na Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagem em Perigo de Extinção (Cites), realizada nos Estados Unidos. O país se comprometeu a adotar medidas que coibissem o tráfico interno de espécies ameaçadas ou já em extinção.

Ainda de acordo com a PF, há em andamento uma operação internacional denominada Thunder, organizada em conjunto com a Interpol e a Organização Mundial de Aduanas, que apura crimes similares.

(Com informações de Carolina Abelin, da CNN, em São Paulo)