Senado instala comissão temporária para acompanhar incêndios no Pantanal


Noeli Menezes, da CNN, em Brasília
16 de setembro de 2020 às 11:09
Fumaça e chamas de queimada no Pantanal, em Poconé, no Mato Grosso

Fumaça e chamas de queimada no Pantanal, em Poconé, no Mato Grosso

Foto: Amanda Perobelli - 03.set.2020 / Reuters

O Senado Federal vai instalar nesta quarta-feira (16) uma comissão temporária externa para acompanhar as ações de enfrentamento às queimadas no Pantanal.

O colegiado, que terá prazo de 90 dias, será composto pelos três senadores de Mato Grosso do Sul, Simone Tebet (MDB), Soraya Thronicke (PSL) e Nelsinho Trad (PSD), além do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que sugeriu a criação da comissão.

“Vamos buscar alternativas, não só para agora, mas também para o futuro. Mais do que acabar com os incêndios, muitas vezes criminosos, nós precisamos já criar mecanismos e estrutura para que isso não se repita no ano que vem", defendeu Tebet.

Assista e leia também:
Já emitimos mais de R$ 100 milhões em multas por queimadas, diz governador de MT
Queimadas no Pantanal: 5 respostas para as perguntas mais comuns
Pantanal atinge maior taxa histórica de queimadas em 2020
'Vimos animais queimados, fugindo do fogo', relata ambientalista sobre Pantanal

"E é isso que a bancada federal está fazendo, com uma ampla frente, inclusive numa política educacional, explicando para a população o que poderá acontecer com o bioma Pantanal se nós não tomarmos providências imediatas."

Acompanhamento

Os parlamentares vão checar os desdobramentos e providências para evitar novas queimadas, bem como as ações de proteção da fauna e da flora, das populações diretamente atingidas e o impacto na economia da região.

O trabalho dos senadores deve correr por meio de visitas in loco, reuniões, debates com os envolvidos, incluindo órgãos federais, estaduais e municipais, ONGs, pesquisadores e especialistas.

“No Senado, vamos atuar para evitar essa catástrofe nos próximos anos. O trabalho da comissão vai passar pela avaliação da dotação orçamentária, pela busca de mais recursos, por uma política constante dos governos estaduais de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”, disse Tebet.

O fogo já consumiu mais de 1,45 milhão de hectares em Mato Grosso do Sul. No município de Alcinópolis, 50% da área do Parque Estadual das Nascentes do Taquari foi destruída. Também há a preocupação com os produtores de florestas plantadas do estado. 

MS em estado de emergência

Nesta semana, o Mato Grosso do Sul entrou em estado de emergência ambiental, e o governo federal destinou R$ 3,8 milhões para ajudar o estado a combater os incêndios nos biomas Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica.

O dinheiro foi liberado em uma cerimônia realizada nessa terça-feira (15) na Governadoria de MS, com a presença do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Segundo Tebet, que acompanhou o evento, o estado de emergência agiliza a aplicação do dinheiro que deve ser destinado para a aquisição de equipamentos, combustíveis e horas de voo. Os recursos estarão disponíveis para qualquer município de Mato Grosso do Sul que necessitar de ações de combate aos incêndios florestais.