Cabral é denunciado por suspeita de propinas em contratos do DER

As irregularidades somariam o pagamento de pelo menos R$ 552.678,60 em espécie, afirmam procuradores

Stefano Salles Da CNN, no Rio de Janeiro
18 de setembro de 2020 às 19:01 | Atualizado 18 de setembro de 2020 às 19:02

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral Filho, foi denunciado mais uma vez pelo Ministério Público Federal. A nova denúncia envolve ele e seu operador financeiro, Luiz Carlos Ferreira. Dessa vez, a denúncia é por corrupção relativa a propinas recebidas entre 2011 e 2017, com contratos no Departamento de Estradas e Rodagens (DER). As irregularidades somariam o pagamento de pelo menos R$ 552.678,60 em espécie, por parte da empresa a Luiz Carlos Bezerra.  

O dono da construtora Macadame, Maciste Granha de Mello Filho, também foi denunciado. Segundo o MPF, ele fez pelo menos oito pagamentos à organização criminosa chefiada pelo então governador do Rio. Maciste é acusado de corrupção e organização criminosa. A irregularidades são relativas à Operação C’est Fini

Leia e assista também

MPF reage à portaria do ministério da Saúde sobre aborto legal

STJ nega novo pedido de soltura de Sérgio Cabral

Cabral e ex-primeira dama desviaram R$ 151 mi do Sistema S, dizem procuradores

Leilão de joias de Sérgio Cabral arrecada R$ 4,6 milhões

A construtora tinha contratos com o DER para executar obras rodoviárias. Apenas na realização de obras na RJ-125, uma rodovia de 85 quilômetros, que liga a Rodovia Presidente Dutra a Vassouras, no Sul do estado, a Macadame recebeu R$ 118 milhões, de acordo com o MPF, nos últimos cinco anos. 

A denúncia, de 65 páginas, é assinada por procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. A denúncia aponta ainda outros elos de proximidade entre os membros da organização criminosa. Maciste era vizinho de Sérgio Cabral, e participou do aniversário de Sérgio de Castro Oliveira, outro operador do esquema do ex-governador. 

O ex-governador Sérgio Cabral já foi condenado 14 vezes pela Operação Lava Jato, e suas penas ultrapassam os 194 anos de prisão. Procurada, a defesa do ex-governador não se manifestou até a publicação desta reportagem.