Governo de SP confirma volta às aulas em duas datas, 7/10 e 3/11; entenda

Primeira data atenderá alunos de ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA); depois, serão retomadas atividades nas demais etapas de ensino

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
18 de setembro de 2020 às 13:47 | Atualizado 18 de setembro de 2020 às 14:38

O governo de São Paulo confirmou nesta sexta-feira (18) a divisão da volta presencial das aulas nas escolas do estado em duas datas: 7 de outubro para ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) e 3 de novembro para o ensino fundamental.

Em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria (PSDB) anunciou também a liberação de R$ 50 milhões para manutenção das unidades de ensino.

“A decisão de começar pelo ensino médio e pelo EJA é que estas etapas são as mais afetadas pela evasão escolar, que prejudica, principalmente, os estudantes mais pobres”, disse Doria.

“Como governador, quero reforçar que a volta às aulas tanto na rede estadual quanto municipal e particulares está condicionada a autorização dos prefeitos de cada um dos 645 municípios do estado”, completou.

Assista e leia também:

Aulas em universidades na cidade de São Paulo serão retomadas em 7 de outubro

Preocupação é com assintomáticos, diz secretário sobre volta às aulas em SP

Pesquisa indica que 26% das cidades de SP não retomarão aula presencial em 2020

Governo de SP confirmou retomada de aulas presenciais em duas etapas: 7/10 e 3/11
Foto: Divulgação/ Governo de SP

A reabertura deve respeitar limites máximos de alunos e protocolos sanitários. Nas redes privadas e municipais, a educação infantil e os anos iniciais do ensino fundamental podem ter até 35% dos alunos por dia em atividades presenciais. 

Para os anos finais dos ensinos fundamental e médio, o limite máximo é de 20%. Na rede estadual, só é permitido o atendimento de até 20% em todas as etapas. 

O governador afirmou que com a liberação de mais R$ 50 milhões para as mais de 5 mil escolas do estado, o governo totaliza o repasse de R$ 700 milhões diretamente para as escolas.

“É um valor recorde, histórico, de repasse financeiro direto, com valor 10 vezes superior ao que já foi realizado em anos anteriores”, disse.